Netherlands' Prime Minister Mark Rutte (L) looks on next to Germany's Chancellor Angela Merkel ( 2nd L), President of the European Commission Ursula von der Leyen (2nd R) and France's President Emmanuel Macron prior the start of the European Council building in Brussels, on July 18, 2020, as the leaders of the European Union hold their first face-to-face summit over a post-virus economic rescue plan. - The EU has been plunged into a historic economic crunch by the coronavirus crisis, and EU officials have drawn up plans for a huge stimulus package to lead their countries out of lockdown. (Photo by Francisco Seco / POOL / AFP)
Mark Rutte, Angela Merkel, Ursula von der Leyen e Emmanuel Macron – FOTO: Francisco Seco / POOL / AFP

A chanceler alemã, Angela Merkel, e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, mostraram-se hoje optimistas à chegada ao Conselho Europeu, afirmando existirem “passos na direcção certa”, com um “enquadramento para um possível acordo” esta tarde.

“Ontem [domingo] à noite, após longas negociações, elaborámos um enquadramento para um possível acordo. Isto é um passo em frente e dá-nos esperança de que um acordo possa ser alcançado hoje, ou pelo menos que um acordo seja possível”, afirmou Angela Merkel, em declarações prestadas á entrada para ser retomada a cimeira extraordinária de líderes europeus, em Bruxelas, dedicada à resposta comunitária à crise gerada pela covid-19.

Depois de mais de 20 horas de negociações no domingo, mais à margem do que em plenário, e de os trabalhos formais terem sido interrompidos já de madrugada, os chefes de Governo e de Estado da União Europeia (UE) voltam a sentar-se à mesa esta tarde, com Angela Merkel a mostrar-se optimista sobre a base negocial agora em cima da mesa, que prevê a atribuição de 390 mil milhões de euros aos países em subsídios a fundo perdido.

Lembrando a proposta franco-alemã, que propunha um montante de 500 mil milhões de euros em subvenções, a chanceler considerou que este documento “deu o impulso para um pacote realmente substancial nesta situação excepcional”.

E, a seu ver, “foi por isso que foi possível chegar a acordo para uma proporção considerável de subvenções”, argumentou Angela Merkel.

Considerando ser “evidente que haveria negociações incrivelmente duras” neste Conselho Europeu, que irão prosseguir esta tarde, a responsável disse ainda esperar que “o fosso que resta possa ainda ser colmatado”, embora admitindo que tal “não será fácil”.

Também optimista mostrou-se a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, que ao chegar ao Conselho Europeu, para o quarto dia de cimeira, indicou que apesar de os 27 “ainda não terem lá chegado”, a um acordo, “as coisas estão a avançar na direcção certa”.

“Após três dias e três noites de maratona de negociações, estamos agora a entrar na fase crucial”, frisou a também alemã.

Ursula von der Leyen afirmou, ainda, ter a “impressão de que os líderes europeus querem realmente um acordo”.

“Eles mostraram a vontade clara de encontrar uma solução e nós precisamos de uma solução […]. Estou positiva em relação ao dia de hoje”, concluiu Ursula von der Leyen.

Reunidos desde sexta-feira de manhã, os líderes europeus não lograram ainda chegar a um acordo sobre o próximo quadro orçamental para 2021-2027 e o Fundo de Recuperação, os pilares do plano de relançamento da economia europeia para superar a crise da covid-19.

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade