O primeiro grande processo judicial relativo à fraude das emissões de gases poluentes em veículos a diesel da Volkswagen começou esta segunda-feira, em Braunschweig, Alemanha, com quase meio milhão de pessoas afetadas a exigirem compensações.

O processo, liderado pela Associação Alemã de Organizações de Consumidores (VZBV na sigla, em alemão) e pelo clube de automobilismo alemão ADAC, visa demonstrar que os seus clientes viram os seus carros desvalorizar por terem sido afetados pelo caso da manipulação das emissões e devem por isso ser compensados.

O presidente da VZBV, Klaus Müller, manifestou-se otimista e defendeu que “é possível que o dinheiro flua rapidamente”, apesar de a empresa ter negado um acordo pré-judicial.

Segundo dados do tribunal federal de justiça alemão, até 25 de setembro o número de queixosos atingiu 468.992, mas poderá aumentar.

A acusação aponta a recente decisão de uma audiência em Koblenz, que forçou a Volkswagen a indemnizar o proprietário de um monovolume Sharan com 26.000 euros, uma decisão pioneira, tendo o fabricante pedido recurso.

O caso das emissões foi conhecido em setembro de 2015 após investigações nos Estados Unidos, seguindo-se a demissão do presidente do grupo.

A Volkswagen admitiu na altura que milhares de veículos das marcas do grupo com motores diesel de dois litros estavam equipados com um dispositivo para manipular os testes de emissões.

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco via email para geral@lux24.lu.
Siga o LUX24 nas redes sociais. Use a #LUX24 nas suas publicações.
Faça download gratuito da nossa ‘app’ na Google Play ou na App Store.
Publicidade
Publicidade