O primeiro-ministro português, António Costa, ladeado pelo ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, na Web Summit 2019, em Lisboa, 06.11.2019. FOTO: ANTONIO COTRIM/LUSA

O primeiro-ministro considerou hoje fundamental para a competitividade e para o crescimento da economia portuguesa a conclusão em breve de um acordo de rendimentos entre os parceiros sociais para a evolução dos salários dos jovens quadros qualificados.

António Costa assumiu esta posição perante os jornalistas, depois de ter visitado os três pavilhões da Web Summit, no Parque das Nações, em Lisboa, durante cerca de três horas, e em que esteve sempre acompanhado pelos ministros de Estado e da Economia, Pedro Siza Vieira, e da Educação, Tiago Brandão Rodrigues.

Interrogado sobre o processo em torno da evolução do salário mínimo até 2023, António Costa não se alongou sobre o tema e apenas referiu que foi fixada a meta de se atingir os 750 euros no final da legislatura e que o assunto está em negociação na concertação social.

No final da sua visita à Web Summit, onde esteve um total de sete horas, António Costa preferiu antes destacar a importância de “haver um acordo global sobre a política de rendimentos para o crescimento da economia”.

O primeiro-ministro português António Costa, ladeado pela ministra da Cultura, Graça Fonseca, na Web Summit 2019, em Lisboa. FOTO: ANTONIO COTRIM/LUSA

“Temos de ter um acordo específico para a valorização salarial dos jovens mais qualificados, o qual já propusemos [à concertação social]. Isso tem tudo a ver com aquilo que estamos aqui a assistir na Web Summit”, declarou o primeiro-ministro.

Nesta visita à Web Summit, em que em alguns momentos também esteve acompanhado pelas ministras da Cultura, Graça Fonseca, da Modernização Administrativa, Alexandra Leitão, e pela secretária de Estado Adjunta da Saúde, Jamila Madeira, o primeiro-ministro deixou um aviso às confederações patronais: “Se queremos ser competitivos no futuro a vender, as empresas têm de ser também competitivas a contratar”, disse.

Ou seja, segundo António Costa, “se Portugal não quer perder os seus melhores recursos humanos, através da emigração para o estrangeiro, tem de possuir empresas capazes de fixar o talento”.

“Seria um enorme desperdício para o esforço das famílias e para o esforço do Estado que os mais novos tivessem de se ir embora para terem a oportunidade de se realizar. Não queremos fechar fronteiras, mas temos de garantir a liberdade de cada um poder ficar e de aqui se poderem realizar plenamente”, justificou.

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões ou sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade

Todas as notícias e conteúdos no LUX24 são e continuarão a ser disponibilizadas gratuitamente, mas nunca como agora precisamos da sua ajuda para continuar a prestar o nosso serviço público.

Somos uma asbl – associação sem fins lucrativos – e não temos qualquer apoio estatal ou institucional, apesar do serviço público que diariamente fazemos em prol da comunidade portuguesa e lusófona residente no Luxemburgo, e já sentimos o efeito da redução da publicidade, que nos garante a manutenção do nosso jornal online.

A imprensa livre não existe nem sobrevive, sem o suporte activo dos seus leitores – sobretudo em épocas como esta, quando as receitas de publicidade se reduziram abruptamente, e nós continuamos a trabalhar a 100%.

Só lhe pedimos que esteja connosco nesta hora e nos possa ajudar com o seu donativo, seja ele de que valor for. Prometemos que continuaremos a ser a sua companhia de todas as horas.

Pode fazer o seu donativo por transferência bancária para a conta do LUX24:
IBAN: LU790250045896982000
Código BIC: BMECLULL

LUX24 asbl
#VaiFicarTudoBem

Publicidade