António Arnaut, o "pai" do Serviço Nacional de Saúde. FOTO DR / Todos os Direitos Reservados
António Arnaut, o “pai” do Serviço Nacional de Saúde. FOTO DR / Todos os Direitos Reservados

Uma escultura de homenagem a António Arnaut, autor da lei que criou o Serviço Nacional de Saúde (SNS), foi ontem inaugurada no Parque Verde do Mondego, em Coimbra, numa comemoração dos 40 anos do SNS.

Localizada junto à primeira oliveira do SNS (plantada há uma década e onde, desde então, sempre a 15 de setembro, é cumprido um ritual simbólico de rega da árvore) a escultura, rodeada por bancos de madeira e da autoria do artista plástico Mário Nunes, foi entregue à Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM), que a ofereceu à cidade.

Na sessão de ontem, Isabel Garcia, presidente da Liga dos Amigos dos Hospitais da Universidade de Coimbra (LAHUC), promotora da iniciativa com a SRCOM, disse que a árvore plantada em 2009 “não é uma oliveira qualquer, é uma oliveira do SNS” e que desde então pelo menos outras oito árvores foram plantadas pelo país, em Fafe, Viseu, Ansião, Pampilhosa da Serra, Lousã, Penela – terra natal de António Arnaut, que morreu em 2018 – Cantanhede e Loulé, a mais recente.

Na ocasião, o médico Armando Gonçalves, que presidiu à Liga dos Amigos do Hospital dos Covões, outra entidade, já desaparecida, que esteve na génese da primeira oliveira, propôs a união do país “homens e mulheres em defesa do SNS”.

Já o neto de António Arnault, António Miguel, disse que o avô estaria “muito contente” com o “esforço” do Governo na aprovação da nova Lei de Bases da Saúde, mas notou que, ao contrário da árvore, o Serviço Nacional de Saúde “tem de ser regado várias vezes ao dia”.

O presidente da SRCOM, Carlos Cortes, por seu turno, lembrou a humanização do setor da saúde, defendida por Arnaut, sublinhando que este, em tempos de inovação tecnológica, “é um dos grandes desafios para o futuro”.

O presidente da autarquia de Coimbra, Manuel Machado, fechou os discursos e lembrou que a lei que criou o SNS em 1979 “teve votos contra”.

Manuel Machado enalteceu a “coragem” de António Arnaut, Mário Soares e Salgado Zenha em “empreender o desafio” de criação do SNS e, sobre a escultura inaugurada (que se vêm juntar a dois bustos do advogado e político existentes em Coimbra) sublinhou que os visitantes do Parque Verde se podem sentar junto a ela “olhar para a cidade” e dela “usufruir com saúde”.

A ministra da Saúde, Marta Temido, ficou na sessão até ao fim mas não chegou a intervir, devido ao “adiantado da hora”, segundo foi anunciado, por ter um compromisso marcado.

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões ou sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade

Todas as notícias e conteúdos no LUX24 são e continuarão a ser disponibilizadas gratuitamente, mas nunca como agora precisamos da sua ajuda para continuar a prestar o nosso serviço público.

Somos uma asbl – associação sem fins lucrativos – e não temos qualquer apoio estatal ou institucional, apesar do serviço público que diariamente fazemos em prol da comunidade portuguesa e lusófona residente no Luxemburgo, e já sentimos o efeito da redução da publicidade, que nos garante a manutenção do nosso jornal online.

A imprensa livre não existe nem sobrevive, sem o suporte activo dos seus leitores – sobretudo em épocas como esta, quando as receitas de publicidade se reduziram abruptamente, e nós continuamos a trabalhar a 100%.

Só lhe pedimos que esteja connosco nesta hora e nos possa ajudar com o seu donativo, seja ele de que valor for. Prometemos que continuaremos a ser a sua companhia de todas as horas.

Pode fazer o seu donativo por transferência bancária para a conta do LUX24:
IBAN: LU790250045896982000
Código BIC: BMECLULL

LUX24 asbl
#VaiFicarTudoBem

Publicidade