A ministra da Saúde, Marta Temido, durante a conferência de imprensa sobre o novo coronavírus (covid-19), realizada no Ministério da Saúde, em Lisboa, 23 de outubro de 2020. FOTO: MANUEL DE ALMEIDA / POOL / LUSA

A capacidade máxima de resposta dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) para assistência na pandemia de covid-19 é de cerca de 17.700 camas, esclareceu ontem à noite a ministra da Saúde, Marta Temido.

Em declarações prestadas na conferência de imprensa de actualização sobre a evolução da pandemia, a governante recordou que as unidades hospitalares do SNS dispõem de uma capacidade total de cerca de 21.000 camas, mas que nem todas podem ser enquadradas num contexto de resposta potencial, pelo facto de estarem incluídas nesse número hospitais especializados, como unidades psiquiátricas

“Para efeitos de resposta potencial, estas são 19.700 camas em hospitais gerais: 34% no Norte, 21% no Centro, 36% em Lisboa e Vale do Tejo, 4% no Alentejo e 5% no Algarve. Das cerca de 19.700 camas, algumas não podem ser consideradas para resposta a picos de afluência, com camas afectas a acidentes vasculares cerebrais, problemas coronários ou neonatologia. Por regra, para a nossa contabilização são contabilizadas apenas camas médico-cirúrgicas, ou seja, 17.700. Esta é a capacidade máxima”, afirmou.

Marta Temido vincou que a gestão do número de camas para internamento “é dinâmica e relativamente flexível” e que os hospitais do SNS “dispõem de 1021 camas de cuidados intensivos e 566 de cuidados intermédios”, embora também estas tenham de ter uma parte reservada para doentes com outras patologias, como doentes coronários ou “casos específicos” graves.

O reforço da capacidade hospitalar em termos de ventiladores foi também enfatizada pela governante, que compareceu hoje pela primeira vez sozinha no ‘briefing’ sobre a pandemia, ao explicar que Portugal tinha no início da pandemia 1.142 ventiladores e que desde março foram distribuídos mais 749 equipamentos de ventilação assistida, elevando o total atual para 1.891.

“A preocupação com a capacidade de resposta do SNS é constante”, assumiu Marta Temido, que reiterou ainda que todos têm o dever de não contribuir para a transmissão de infeção, “num momento difícil de evolução da pandemia em Portugal e na Europa, em que os próximos dias se antevêem complicados”.

De acordo com o boletim ontem divulgado, desde o início da pandemia de covid-19 Portugal já contabilizou 112.440 casos confirmados e 2.276 óbitos.

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões ou sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade

Todas as notícias e conteúdos no LUX24 são e continuarão a ser disponibilizadas gratuitamente, mas nunca como agora precisamos da sua ajuda para continuar a prestar o nosso serviço público.

Somos uma asbl – associação sem fins lucrativos – e não temos qualquer apoio estatal ou institucional, apesar do serviço público que diariamente fazemos em prol da comunidade portuguesa e lusófona residente no Luxemburgo, e já sentimos o efeito da redução da publicidade, que nos garante a manutenção do nosso jornal online.

A imprensa livre não existe nem sobrevive, sem o suporte activo dos seus leitores – sobretudo em épocas como esta, quando as receitas de publicidade se reduziram abruptamente, e nós continuamos a trabalhar a 100%.

Só lhe pedimos que esteja connosco nesta hora e nos possa ajudar com o seu donativo, seja ele de que valor for. Prometemos que continuaremos a ser a sua companhia de todas as horas.

Pode fazer o seu donativo por transferência bancária para a conta do LUX24:
IBAN: LU790250045896982000
Código BIC: BMECLULL

LUX24 asbl
#VaiFicarTudoBem

Publicidade