Banco Privado Português (BPP) - FOTO © LUSA

A mulher de João Rendeiro, suspeita de crimes ligados às obras de arte do ex-banqueiro do BPP, João Rendeiro, vai ficar em prisão domiciliária com vigilância electrónica, decidiu hoje (04) o Tribunal de Instrução Criminal (TIC) de Lisboa.

Maria de Jesus Rendeiro, detida na quarta-feira, viu ser-lhe aplicada esta medida de coacção privativa da liberdade após o tribunal considerar existir perigo de fuga, perigo de perturbação do inquérito/investigação e perigo de continuação da actividade criminosa, indica uma nota do TIC.

Segundo a mesma informação divulgada esta noite pelo Tribunal, a mulher de João Rendeiro viu ainda ser-lhe aplicada como medida de coacção a proibição de contactar com o presidente da Antral, Florêncio de Almeida e com filho deste.

O tribunal confirma que a arguida é suspeita dos crime de descaminho, desobediência, branqueamento de capitais e de crimes de falsificação de documento.

Maria de Jesus Rendeiro foi detida no âmbito da operação D’Arte Asas dirigida pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal e executada pela Polícia Judiciária.

A mulher de João Rendeiro era fiel depositária dos quadros arrestados ao ex-banqueiro, considerando o tribunal que esta sabia das falsificações e do desvio das obras.

O antigo presidente do Banco Privado Português (BPP) João Rendeiro, condenado no final de setembro a três anos e seis meses de prisão efectiva num processo por burla qualificada, está em parte incerta após ter fugido à justiça.

O colapso do BPP, banco vocacionado para a gestão de fortunas, aconteceu em 2010, já depois do caso BPN e antecedendo outros escândalos na banca portuguesa.

O BPP originou vários processos judiciais, envolvendo burla qualificada, falsificação de documentos e falsidade informática, bem como processos relacionados com multas aplicadas pelas autoridades de supervisão bancária.

FC/ZO // ZO

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade