O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, acompanhado por utentes durante a visita à Raríssimas, na Moita, 24 de Dezembro de 2019. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O Presidente da República saudou ontem o apoio do anterior Governo e do actual à Raríssimas e congratulou-se com o “fim feliz” desta associação na sequência das denúncias de irregularidades na sua gestão em 2017.

Em véspera de Natal, como tinha feito no ano passado e há dois anos, Marcelo Rebelo de Sousa visitou o Centro de Desenvolvimento e Reabilitação da Casa dos Marcos, no concelho da Moita, distrito de Setúbal, uma das instalações da Raríssimas – Associação Nacional de Deficiências Mentais e Raras.

Da Moita, o chefe de Estado seguiu para o Barreiro, juntando-se pelo quarto ano consecutivo à ginjinha de Natal, no centro da cidade, rodeado por uma multidão que o fez levar quase duas horas e meia a percorrer algumas dezenas de metros até à Tasca da Galega, onde atrás do balcão brindou “por Portugal”, a pensar especialmente nos portugueses “que infelizmente estão doentes ou numa situação de sofrimento” nesta época festiva.

O provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Edmundo Martinho, e o secretário de Estado da Segurança Social, Gabriel Bastos, acompanharam-no na visita à Raríssimas, que aconteceu num momento de transição entre a direcção dos últimos dois anos, presidida por Margarida Laygue, e a nova direcção da Raríssimas, que tem como presidente Maria João Trincão, que irá tomar posse no dia 03 de Janeiro.

À saída da Casa dos Marcos, em declarações aos jornalistas, o Presidente da República disse que “estas histórias, em muitos casos, não terminam bem”, numa alusão às irregularidades denunciadas numa reportagem da TVI que levaram à destituição da antiga presidente, Paula Brito da Costa, que foi constituída arguida.

“Houve muitas dificuldades para manter unido o projecto, para manter uma equipa muito vigorosa à frente, para ter a Segurança Social a apoiar, para ter a Santa Casa da Misericórdia a apoiar, para ter a Aga Khan a apoiar, para ultrapassar o afastamento dos mecenas”, referiu.

Marcelo Rebelo de Sousa destacou o “apoio espectacular, quer das famílias, quer dos trabalhadores, todos, da casa, que fizeram um esforço muito grande para manter aquilo que era fundamental”.

“Depois, era preciso preparar o futuro, e fez-se isso tudo em dois anos. Não foi uma tarefa fácil. E eu tenho que cumprimentar o Governo, o anterior e o actual, por isso, o senhor provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, que foi um entusiasta deste projecto, e a Aga Khan”, acrescentou.

O Presidente da República cumprimentou também todos os elementos desta direcção cessante da Raríssimas, concluindo: “Agora é futuro. Agora é ano novo, vida nova. Na continuidade do esforço dos últimos anos, mas vida nova com outras perspectivas”.

Antes, o chefe de Estado fez uma curta intervenção no átrio de entrada da Casa dos Marcos, ao qual foi dado o nome do ex-ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José António Vieira da Silva, congratulando-se com o “fim feliz” deste “mandato extremamente difícil” na Raríssimas.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, brinda durante a visita à tradicional ginjinha de Natal do Barreiro, 24 de Dezembro de 2019. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

“Foi possível, passo a passo, fazer sobreviver a instituição – mas foi mesmo passo a passo”, disse.

Segundo o Presidente da República, nestes dois anos foi decidido “a Santa Casa assumir um papel ainda mais vigoroso e activo, sempre com o apoio da Segurança Social”, que “continua inabalável”.

“Por isso, este Natal é um Natal muito diferente do Natal de há dois anos. É mais Natal este ano”, considerou.

No Barreiro, onde prometeu continuar a voltar para a ginjinha de Natal, “seja ou não Presidente”, Marcelo Rebelo de Sousa contou que esta “era uma tradição de homens” que ali iam “enquanto as mulheres preparavam o jantar de Natal”.

“Depois passaram a vir as mulheres, a seguir ao 25 de Abril. Foi crescendo, crescendo. Depois passou a vir gente da vizinhança. E agora vem um bocadinho de todo o país”, acrescentou, exclamando: “Realmente a ginjinha é muito boa. O ambiente é óptimo. Esta é talvez a noite mais agradável das quatro”.

 

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões ou sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade

Todas as notícias e conteúdos no LUX24 são e continuarão a ser disponibilizadas gratuitamente, mas nunca como agora precisamos da sua ajuda para continuar a prestar o nosso serviço público.

Somos uma asbl – associação sem fins lucrativos – e não temos qualquer apoio estatal ou institucional, apesar do serviço público que diariamente fazemos em prol da comunidade portuguesa e lusófona residente no Luxemburgo, e já sentimos o efeito da redução da publicidade, que nos garante a manutenção do nosso jornal online.

A imprensa livre não existe nem sobrevive, sem o suporte activo dos seus leitores – sobretudo em épocas como esta, quando as receitas de publicidade se reduziram abruptamente, e nós continuamos a trabalhar a 100%.

Só lhe pedimos que esteja connosco nesta hora e nos possa ajudar com o seu donativo, seja ele de que valor for. Prometemos que continuaremos a ser a sua companhia de todas as horas.

Pode fazer o seu donativo por transferência bancária para a conta do LUX24:
IBAN: LU790250045896982000
Código BIC: BMECLULL

LUX24 asbl
#VaiFicarTudoBem

Publicidade