O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (C), faz um brinde durante uma visita à tradicional ginjinha de Natal do Barreiro, 24 de dezembro de 2022. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Marcelo Rebelo de Sousa, eleito como Presidente da República, em 24 de janeiro de 2016 ou seja, há sete anos, atribuiu desde o início do seu primeiro mandato mais de mil condecorações e fez 123 deslocações a países estrangeiros até agora.

O antigo comentador político e professor universitário de direito, entretanto jubilado, hoje com 74 anos, que presidiu ao PSD entre 1996 e 1999, foi eleito nas presidenciais de 24 de janeiro de 2016 com 52% dos votos expressos e reeleito em 24 de janeiro de 2021 com 60,67%.

Com uma agenda continuadamente intensa desde o início de funções, mas particularmente no primeiro ano, Marcelo Rebelo de Sousa segue a opção de não a divulgar oficialmente na totalidade, o que impede uma reconstituição rigorosa da história da sua atividade, sobretudo em território nacional.

No plano externo, as suas idas ao estrangeiro são obrigatoriamente comunicadas à Assembleia da República, e é assim que no geral se tornam do conhecimento público. Foi até agora a 48 países diferentes, num total de 123 deslocações, das quais 18 foram visitas de Estado.

Esta contagem inclui além de visitas oficiais, deslocações por motivos diversos, divididas por país, para visitar forças nacionais destacadas, comemorações do Dia de Portugal, cimeiras e outras reuniões internacionais, eventos desportivos e culturais, posses e cerimónias fúnebres.

A partir do seu segundo mandato, várias dessas visitas foram aprovadas pelos deputados sem a habitual unanimidade, com abstenções e até votos contra, e contestadas em termos gerais pelo partido Chega, pela sua quantidade.

A que gerou mais controvérsia na Assembleia da República foi a ida ao Mundial de Futebol do Qatar, em novembro do ano passado, que teve votos contra de Iniciativa Liberal, Bloco de Esquerda, PAN, Livre e quatro deputados do PS e abstenções de Chega, três deputados do PS e três do PSD.

Portugal President Marcelo Rebelo de Sousa (3R) cheers prior to the FIFA World Cup 2022 group H match between Portugal and Ghana at Stadium 974, in Doha, Qatar, 24 November 2022. JOSE SENA GOULAO/LUSA

Também houve divergências em relação às suas idas a Angola para o funeral do antigo Presidente José Eduardo dos Santos, com votos contra de Iniciativa Liberal e Bloco de Esquerda e abstenção do PAN, e para a posse do Presidente João Lourenço, com votos contra do Chega e abstenções de Bloco e PAN – ambas votadas em plenário à posteriori, em setembro de 2022.

Os países mais visitados por Marcelo Rebelo de Sousa foram Espanha, onde já foi 17 vezes, França, onde esteve 12 vezes, e Estados Unidos da América, país a que se deslocou nove vezes, seis das quais à sede das Nações Unidas, em Nova Iorque.

O Presidente da República deslocou-se oito vezes ao Brasil, seis a Angola e a Cabo Verde, cinco a Itália, quatro ao Reino Unido, três a Moçambique e a São Tomé e Príncipe – sem contar com escalas.

Foi também três vezes ao Vaticano – o primeiro país que visitou no início de cada mandato, seguido da Espanha no mesmo dia –, bem como à Bélgica, Grécia e Andorra e duas vezes à Alemanha, Rússia, Bulgária e Malta.

Esteve ainda em Marrocos, Suíça, Cuba, Colômbia, Senegal, Croácia, Luxemburgo, México, Lituânia, República Centro-Africana, Egito, Áustria, Letónia, Guatemala, Panamá, China, Costa do Marfim, Tunísia, Afeganistão, Israel, Índia, Guiné-Bissau, Eslovénia, Hungria, Países Baixos, Timor-Leste, Chipre, Irlanda, Qatar e Roménia.

Fez visitas de Estado a Moçambique, Suíça e Cuba, em 2016, Cabo Verde, Senegal, Croácia, Luxemburgo e México, em 2017, São Tomé e Príncipe, Grécia, Egito e Espanha, em 2018, Angola, China, Costa do Marfim e Itália, em 2019, Índia, em 2020 – ano em que a pandemia de covid-19 o obrigou a adiar praticamente toda a sua agenda internacional – e à Irlanda, em 2022.

[arquivo] Visita de Estado do Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, ao Luxemburgo, em maio de 2017 – FOTO © Cour grand-ducale / Claude Piscitelli / tous droits réservés

Marcelo Rebelo de Sousa visitou forças nacionais destacadas para missões militares em Kaunas, Lituânia, e em Málaga, Espanha, em 2017, na República Centro-Africana, em 2018, no Afeganistão, em 2019, e na Roménia, em 2022.

Foi ver dez jogos da seleção portuguesa de futebol e esteve em cerca de vinte encontros multilaterais, desde reuniões da Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque, a cimeiras ibero-americanas e da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), e encontros informais de chefes de Estado do Grupo de Arraiolos e da organização empresarial Cotec Europa.

Para comemorar o Dia de Portugal junto de comunidades emigrantes, num modelo original que lançou com o primeiro-ministro, António Costa, o chefe de Estado esteve em Paris, em 2016, no Rio de Janeiro e São Paulo, em 2017, na Costa Leste dos Estados Unidos da América, em 2018, na Praia e no Mindelo, em Cabo Verde, em 2019, e em Londres, em 2022.

No que respeita a condecorações, segundo a listagem no portal das ordens honoríficas na Internet, já atribuiu mais de mil a cidadãos ou entidades nacionais, cerca de 750 nos cinco anos do primeiro mandato e 275 neste segundo mandato, até ao fim de outubro de 2022.

As condecorações com o mais alto grau das ordens honoríficas – o grande-colar – foram para os antigos chefes de Estado Aníbal Cavaco Silva, António Ramalho Eanes e Jorge Sampaio, para o antigo governador do Banco de Portugal e ex-vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE) Vítor Constâncio e, a título póstumo, para os escritores José Saramago e Sophia de Mello Breyner e a pintora Paula Rego.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa conversa com o antigo Presidente da República, General Ramalho Eanes, em Lisboa, 04 de dezembro de 2019. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Para comparação, os números de insígnias entregues pelos seus antecessores eleitos em democracia, no conjunto dos respetivos dois mandatos, foram os seguintes: Aníbal Cavaco Silva teve o menor número, aproximadamente 1.500, Jorge Sampaio cerca de 2.400, Mário Soares perto de 2.500 e António Ramalho Eanes cerca de 1.900.

Isto contabilizando apenas condecorações atribuídas no plano nacional. Os estrangeiros condecorados pelo atual Presidente da República foram 270, até dezembro do ano passado.

Num caso e noutro, Marcelo Rebelo de Sousa optou por realizar várias cerimónias sem publicitação.

Como Presidente da República, imprimiu regularidade às audiências aos partidos políticos e confederações patronais e sindicais, bem como às reuniões do Conselho de Estado e do Conselho Superior de Defesa Nacional.

Realizou mais de 30 rondas de audiências aos partidos com assento parlamentar, convocou 27 vezes o Conselho de Estado e reuniu 29 vezes o Conselho Superior de Defesa Nacional.

Em sete anos, 70 momentos marcantes desde a eleição

Cronologia de 70 momentos marcantes de Marcelo Rebelo de Sousa desde a sua eleição como Presidente da República, em 24 de janeiro de 2016.

2016

1. 09 de março:

Chega a pé ao Palácio de São Bento, para a sua posse Presidente da República de Portugal, furando o protocolo.

No seu discurso, apela à unidade, pacificação e autoestima dos portugueses, considerando que o país enfrenta tempos difíceis e deve compatibilizar “crescimento, emprego e justiça social de um lado, e viabilidade financeira, do outro”.

As cerimónias de posse têm um formato original, que se prolonga durante todo o dia, e incluem um encontro ecuménico na Mesquita de Lisboa e um concerto na Praça do Município.

2. 17 de março:

Faz as primeiras visitas ao estrangeiro, ao Vaticano, onde é recebido pelo papa Francisco, e a Madrid, onde se reúne com o rei Felipe VI de Espanha.

3. 03 de maio:

Inicia a sua primeira visita de Estado, a Moçambique, até 07 de maio. Durante esta visita, num mercado de Maputo, aproveita para negar “tentações presidencialistas”, em resposta à porta-voz do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, que o acusa de “tentativa de presidencialização do regime político” numa moção partidária.

4. 07 de junho:

Ao fim de três meses em funções, veta o primeiro diploma, um decreto da Assembleia da República sobre gestação de substituição, e promulga outros cinco diplomas, divulgando estas decisões perto da meia-noite.

5. 10 de junho:

Discursa no Terreiro do Paço, que era o palco das celebrações do Dia de Portugal no Estado Novo, fazendo um elogio ao povo e às Forças Armadas, e condecora antigos combatentes da guerra colonial, de baixas patentes.

Depois, viaja para Paris, onde prossegue, num modelo inovador, as comemorações do 10 de Junho, junto de emigrantes portugueses e lusodescendentes, até 12 de junho, com o primeiro-ministro, António Costa. No último dia, com os dois sob o mesmo guarda-chuva, na festa da Rádio Alfa, Marcelo declara: “Estão a ver o que é a colaboração entre os dois poderes?”.

6. 10 de julho:

Está presente em Paris na conquista do título de campeão europeu pela seleção portuguesa de futebol, que vence a França por 1-0, após prolongamento.

Anuncia que vai condecorar os elementos da seleção com o grau de comendador da Ordem do Mérito.

7. 26 de outubro:

Chega a Havana para uma visita de Estado inédita a Cuba, de um dia e meio, onde se encontra com o Presidente Raul Castro e com Fidel Castro, um mês antes da morte do líder histórico cubano.

8. 12 de dezembro:

Assiste em Nova Iorque, nos Estados Unidos da América, à cerimónia de juramento do antigo primeiro-ministro António Guterres como secretário-geral nas Nações Unidas.

2017

9. 10 de janeiro:

Discursa nas cerimónias fúnebres de Estado de Mário Soares, no Mosteiro dos Jerónimos – as primeiras de um Presidente da República eleito em democracia.

10. 13 de fevereiro:

Perto da meia-noite, divulga uma nota em que afirma aceitar a posição do primeiro-ministro de manter a confiança no ministro das Finanças, “atendendo ao estrito interesse nacional, em termos de estabilidade financeira”, e confirma que recebeu Mário Centeno em Belém.

Uma semana depois, na TVI, esclarece que quis evitar uma crise política similar à de 2013, após a demissão do então ministro das Finanças, Vítor Gaspar, referindo-se à polémica entre Mário Centeno e a anterior administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD).

11. 04 de abril:

Durante a primeira de muitas reuniões que promove sobre a Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas Sem-Abrigo, define como meta a erradicação deste problema até 2023.

Na noite seguinte, ajuda a distribuir refeições nas ruas de Lisboa, para “manter os pés na terra”, uma ação que repetiria várias vezes.

12. 25 de abril:

No seu discurso na Assembleia da República, elogia as “vitórias” nas finanças e economia, mas defende “maior criação de riqueza e melhor distribuição”. Também pede mais transparência, rapidez e eficácia ao poder político, para prevenir os populismos. Entra de cravo na mão no hemiciclo, que depois pousa na bancada – como tinha feito há um ano e faria nos anos seguintes.

Abre o Palácio de Belém ao público e passa a tarde no meio do povo, com quem tira centenas de fotografias, “entre 600 e 700” nas suas contas.

13. 12 de maio:

Recebe o papa Francisco na Base Aérea de Monte Real, com quem se reúne dez minutos a sós, na sua chegada a Portugal para uma visita apostólica de menos de 24 horas, por ocasião do centenário de Fátima, no dia seguinte, que acompanha como Presidente e “como peregrino”.

14. 10 de junho:

Comemora o Dia de Portugal no Porto. Numa cerimónia militar, defende um Portugal “independente do atraso, da ignorância, da pobreza, da injustiça, da dívida, da sujeição” e “livre da prepotência, da demagogia, do pensamento único, da xenofobia e do racismo”.

Prossegue junto das comunidades portuguesas no Brasil as comemorações do Dia de Portugal, em São Paulo e no Rio de Janeiro, com o primeiro-ministro.

15. 18 de junho:

Desloca-se ao local onde deflagrou um incêndio com vítimas mortais, em Pedrógão Grande, distrito de Leiria, onde chega pelas 00:40.

Deixa palavras de “gratidão e conforto” aos envolvidos no combate às chamas e considera que “o que se fez foi o máximo que se poderia ter feito”.

Fala ao país às 20:30 a partir do Palácio de Belém e pede aos portugueses que se unam “nesta hora de dor, mas também de combate” e guardem no imediato as interrogações que os angustiam sobre este incêndio, que se propagaria por concelhos vizinhos, provocando mais de 60 mortos.

Nos dias seguintes, percorre os locais atingidos.

16. 02 de julho:

Fala pela primeira vez sobre o caso de Tancos, defendendo “que se deve investigar até ao fim em matéria de factos e responsabilidades” e que “tem de se prevenir o futuro para que não haja de seis em seis anos furtos destes”.

Passados dois dias, visita com o ministro da Defesa, José Azeredo Lopes, a base militar de Tancos, onde se reúnem com as chefias militares, e volta a defender “uma investigação total” ao caso “doa a quem doer e não deixando ninguém imune”.

17. 17 de outubro:

Dois dias depois de se terem registado novos incêndios, cerca de 500, em diversos locais do país, que provocariam pelo menos 50 mortos, fala ao país às 20:30 a partir da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, no distrito de Coimbra.

Adverte que usará todos os seus poderes contra a fragilidade do Estado, considera que se justifica um pedido de desculpas e sugere mudanças de equipas.

Face a uma moção de censura anunciada pelo CDS-PP, defende que é essencial o parlamento clarificar o seu apoio ao Governo, para “se evitar um equívoco” ou “reforçar o mandato para as reformas inadiáveis”.

“Para mim, como Presidente da República, o mudar de vida neste domínio é um dos testes decisivos ao cumprimento do mandato que assumi”, afirma.

Nessa semana, passa três dias nos concelhos afetados pelos incêndios.

18. 26 de outubro:

O Público titula na primeira página “Governo chocado com Marcelo: ‘As coisas estavam combinadas'”.

Em visita aos Açores, reage à notícia contrapondo que “chocado ficou o país com a tragédia vivida” nos incêndios.

19. 25 de dezembro:

Passa o Dia de Natal em Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, concelhos afetados pelos incêndios de junho.

20. 28 de dezembro:

É operado de urgência a uma hérnia umbilical, no Hospital Curry Cabral, em Lisboa, o que o obriga a cancelar a sua agenda até 01 de janeiro, incluindo a deslocação às regiões atingidas pelos fogos prevista para a altura do fim de ano, e a abrandar o ritmo nas semanas seguintes.

Promulga diplomas durante o internamento hospitalar, que termina no dia 31 de dezembro.

2018

21. 26 de março:

Visita a força nacional destacada na República Centro-Africana, que integra uma missão das Nações Unidas.

22. 25 de abril:

Discursa pela terceira vez nesta data e apela mais uma vez à renovação do sistema político, alertando contra “messianismos de um ou de alguns”, contra o “endeusamento ou vocação salvífica” e contra “hipernacionalismos claustrófobos, xenófobos”.

O primeiro-ministro, António Costa, diz não saber a quem se estava a referir ao falar em “messianismos” e em “endeusamento” e observa: “É muito difícil interpretar a arte moderna e nem sempre é possível interpretar os discursos modernos”.

No dia seguinte, o Presidente explica que fez um discurso de prevenção de “populismos, messianismos e sebastianismos”, tendo em conta o quadro internacional, como bem compreendeu um jovem de 20 e poucos anos que encontrou quando foi nadar.

23. 11 de maio:

No dia em que o Tribunal da Relação de Lisboa decide transferir para a justiça angolana o processo que envolve o ex-vice-presidente de Angola Manuel Vicente, fala por telefone com o seu homólogo angolano.

O Presidente de Angola, João Lourenço, escreve no Twitter que os dois se congratularam “pelo feliz desfecho”. Marcelo confirma o contacto e refere, numa nota, que expressaram “a vontade de desenvolver a cooperação a todos os níveis”.

24. 20 de junho:

Encontra-se em Moscovo com o Presidente da Federação Russa, Vladimir Putin, numa “visita de cortesia”, antes de assistir ao jogo de futebol Portugal-Marrocos da fase de grupos do Mundial de 2018.

25. 26 de junho:

Viaja para os Estados Unidos da América onde, no dia seguinte, é recebido pelo Presidente norte-americano, Donald Trump, na Casa Branca, em Washington, com declarações conjuntas na Sala Oval.

26. 04 de agosto:

Visita a praia fluvial de Nandufe, em Tondela, no distrito de Viseu, uma de muitas que percorre ao longo deste mês no interior do país afetado pelos fogos, num registo não oficial, embora com ampla cobertura mediática, para “mostrar como é importante que haja turismo nas zonas afetadas pelas tragédias do ano passado”.

27. 20 de setembro:

A cerca de três meses de fazer 70 anos, idade de jubilação, profere a sua “última aula” como professor da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, despedindo-se da “fascinante aventura” do ensino, que diz ser a “verdadeira vocação” da sua vida, a partir da qual fez tudo o mais.

À noite, anuncia a nomeação de uma nova procuradora-geral da República, Lucília Gago, por proposta do Governo, não reconduzindo Joana Marques Vidal.

Justifica a decisão com duas “razões determinantes”: sempre ter defendido a limitação de mandatos e considerar que Lucília Gago – a quem daria posse em 12 de outubro – assegura a continuidade do combate à corrupção e defesa de uma “justiça igual para todos”.

2019

28. 01 de janeiro:

Assiste, em Brasília, à posse de Jair Bolsonaro como Presidente do Brasil, que o recebe no dia seguinte no Palácio do Planalto.

Enquanto está no Brasil, é divulgada em Portugal a sua mensagem de Ano Novo, centrada nas três eleições de 2019, em que alerta para os riscos da demagogia e do populismo e faz um apelo à participação eleitoral.

29. 04 de fevereiro:

Visita, sem aviso prévio e sem comunicação social, o bairro de Vale de Chícharos, também conhecido como bairro Jamaica, no Seixal, 15 dias depois de se terem registado incidentes com a polícia naquele local – que levaram à abertura de um inquérito pelo Ministério Público e de outro pela direção nacional da Polícia de Segurança Pública (PSP).

Perante críticas, incluindo de um dirigente sindical da PSP, explica no dia seguinte que quis combater um “clima de guerra racial” em Portugal e fez questão de contactar “com todos, sem exceção”, acrescentando: “Não peço o cadastro criminal, nem o cadastro fiscal, nem o cadastro moral para falar com eles ou tirar ‘selfies’ – não, é com todos”.

30. 05 de março:

Inicia uma visita de Estado a Angola, dividida entre a capital, Luanda, e as províncias de Benguela e Huíla, até 09 de março, aniversário dos seus três anos de mandato. Tinha recebido em Portugal João Lourenço meses antes, entre 22 e 24 de novembro.

31. 26 de abril:

Começa simbolicamente na Grande Muralha uma deslocação de seis dias à República Popular da China, para participar no fórum “Faixa e Rota” e realizar uma visita de Estado, dividida entre Pequim, Xangai e a Região Administrativa Especial de Macau.

Durante esta visita, é recebido, em 29 de abril, no Grande Palácio do Povo, em Pequim, pelo Presidente chinês, Xi Jinping – que em 04 de dezembro do ano anterior recebera no Palácio de Belém, também em visita de Estado.

Saúda a “subida de nível” nas relações políticas bilaterais, formalizada através de um memorando para “um diálogo estratégico”, instrumento que prevê consultas regulares e visitas mútuas anuais ao nível dos ministros dos Negócios Estrangeiros.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (E), ladeado pelo Presidente da República Popular da China, Xi Jinping (D), durante a cerimónia de boas-vindas no Palácio do Povo, em Pequim, China, 29 de abril de 2019. O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa encontra-se de 26 de abril a 1 de maio em visita de Estado à República Popular da China. MIGUEL A. LOPES/LUSA

32. 13 de maio:

Fala pela primeira vez sobre o cenário de uma possível demissão do Governo – entretanto afastado, porque PSD e CDS-PP se juntaram ao PS na votação final global para chumbar a contagem integral do tempo de serviço dos professores – que o primeiro-ministro tinha colocado em cima da mesa dez dias antes.

Afirma que se “deparou com a crise” da possível demissão do Governo ao chegar da China e que ficou em silêncio para manter “mãos livres” caso tivesse de intervir. Acrescenta que “os portugueses têm de se habituar”, porque pode fazer o mesmo noutras situações de crise.

33. 31 de maio:

Numa intervenção em inglês, na Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD), em Lisboa, face aos resultados das eleições europeias, considera que “há uma forte possibilidade de haver uma crise na direita portuguesa nos próximos anos” e defende que, num contexto destes, o seu papel “é importante para equilibrar os poderes”. À saída, admite que o equilíbrio de forças entre esquerda e direita influencie a sua decisão sobre uma recandidatura.

34. 26 de agosto:

Envia, pela primeira vez desde que tomou posse, um diploma para o Tribunal Constitucional, para fiscalização preventiva da constitucionalidade: alterações à lei sobre procriação medicamente assistida.

Três dias depois, justifica essa decisão com o entendimento de que a Assembleia da República aprovou uma lei que entra “em choque” com anterior acórdão do Tribunal Constitucional sobre esta matéria.

35. 24 de setembro:

No seu discurso nas Nações Unidas, em Nova Iorque, adverte que “ninguém é uma ilha” e que se deve aprender com o fracasso da Liga das Nações, que não evitou a II Guerra Mundial.

Logo de seguida, fala às televisões para afirmar que “é bom que fique claro que o Presidente não é criminoso”, reiterando nunca ter sido informado de um alegado encobrimento na recuperação do material militar furtado dos paióis de Tancos e referindo que “a defesa de um dos implicados fez questão de afirmar expressamente que não envolvia o Presidente da República”.

Antes, a TVI tinha começado o seu Jornal das Oito com a notícia de que o major Vasco Brazão, da Polícia Judiciária Militar, arguido no caso de Tancos, de acordo com a acusação do Ministério Público fora escutado a falar de Marcelo Rebelo de Sousa como “papagaio-mor do reino” que, segundo ele, sabia de tudo.

36. 26 de outubro:

Dá posse ao XXII Governo Constitucional, composto por 19 ministros e 50 secretários de Estado, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, um executivo minoritário do PS não suportado por quaisquer acordos escritos com outros partidos, formado na sequência das legislativas de 06 de outubro.

No seu discurso, avisa o primeiro-ministro, António Costa, que “não será fácil a tarefa que o espera”, pois “as expectativas e as exigências dos portugueses hoje são muito superiores às de 2015” e “não há recursos para tantas e tamanhas expectativas e exigências”.

37. 30 de outubro:

Dá entrada no Hospital de Santa Cruz, em Oeiras, para fazer um cateterismo cardíaco, e à entrada explica o procedimento em declarações à SIC.

Segundo a equipa médica, o cateterismo confirmou “a existência de obstruções coronárias importantes que foram tratadas no mesmo procedimento, com sucesso e sem complicações”.

No dia seguinte, após ter alta hospitalar, diz aos jornalistas que o estado da sua saúde é agora “um fator positivo na ponderação” sobre uma recandidatura, mas remete essa decisão para outubro de 2020.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (D), é vacinado contra a gripe na Unidade de Saúde Familiar (USF) Descobertas, em Lisboa, 19 de outubro de 2020. A segunda fase da vacinação inicia-se hoje, disponível para mais grupos populacionais, que estende a vacinação a pessoas com 65 ou mais anos e pessoas com doenças crónicas. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

38. 22 de dezembro:

Visita, sem anúncio prévio, os militares portugueses no aeroporto de Cabul, em missão da NATO no Afeganistão, no aeroporto de Cabul, onde fica cerca de quatro horas e meia.

Em Cabul, numa declaração à agência Lusa, manifesta preferência pela aprovação do Orçamento do Estado para 2020 pelas forças de esquerda no parlamento “que estiveram na base do apoio do Governo anterior”, desaconselhando uma “solução de recurso” de negociação “aqui e acolá”.

2020

39. 13 de fevereiro:

Inicia visita de Estado à Índia, com programa dividido entre Nova Deli, Mumbai e Goa, até 16 de fevereiro, durante a qual se mostra “muito impressionado com a personalidade política” do primeiro-ministro indiano, Narendra Modi.

40. 08 de março:

Suspende a agenda por duas semanas e isola-se na sua casa, em Cascais, por ter estado com alunos de uma escola de Felgueiras entretanto encerrada devido a um caso de covid-19 noutra turma, para dar um “exemplo reforçado de prevenção”.

Apesar de teste negativo e ausência de sintomas, mantém-se em isolamento, a trabalhar em casa, até 17 de março, quando retoma a atividade no Palácio de Belém.

41. 18 de março:

Decreta o estado de emergência, com efeitos entre 19 de março e 02 de abril, para permitir medidas excecionais de contenção da covid-19, após ter reunido o Conselho de Estado, ouvido o Governo e obtido autorização da Assembleia da República, sem votos contra.

A declaração do estado de emergência é inédita em Portugal em democracia e suscita inicialmente dúvidas por parte do primeiro-ministro.

“É a democracia a usar os meios excecionais que ela própria prevê para tempos de gravidade excecional. Não é uma interrupção da democracia, é a democracia a tentar impedir uma interrupção irreparável na vida das pessoas”, argumenta o chefe de Estado, numa declaração ao país.

42. 16 de abril:

Decreta pela terceira vez o estado de emergência, até 02 de maio, declarando esperar que seja “a última”, em sintonia com o primeiro-ministro. O decreto já contempla uma “abertura gradual” de atividades e na introdução abre caminho às celebrações do Dia do Trabalhador.

Em declaração ao país sobre este decreto refere que no estrangeiro se fala num “milagre português” no combate à covid-19, mas acrescenta que “falta porventura o mais difícil” e que “não é um milagre, é fruto de muito sacrifício”.

43. 25 de Abril:

Numa sessão solene do 25 de Abril no parlamento em formato reduzido, com um quinto dos deputados e cerca de duas dezenas de convidados, centra a sua intervenção na defesa desta comemoração da Revolução dos Cravos em tempos de pandemia.

“O que seria civicamente vergonhoso era haver todo um país a viver este tempo de sacrifício e de entrega e a Assembleia da República demitir-se de exercer todos os seus poderes”, declara, recebendo palmas das bancadas de PS, PSD e BE.

44. 13 de maio:

Numa visita conjunta à Volkswagen Autoeuropa, em Palmela, no distrito de Setúbal, o primeiro-ministro, António Costa, manifesta a vontade de regressar àquela fábrica com Marcelo Rebelo de Sousa num segundo mandato presidencial, contando, portanto, com a sua recandidatura e reeleição.

“Nós vamos ultrapassar esta pandemia e os efeitos económicos e sociais este ano, no ano que vem, nos anos próximos. E eu cá estarei, e cá estaremos todos, porque isto é um espírito de equipa que se formou e que nada vai quebrar. Cá estaremos este ano e nos próximos anos a construir um Portugal melhor”, declara, a seguir, Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (D), conversa com o primeiro-ministro, António Costa (E), durante a visita à fábrica da Autoeuropa, em Palmela, 13 de maio de 2020. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

45. 10 de junho:

No Dia de Portugal, opta por fazer uma “cerimónia simbólica” no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, apenas com os dois oradores e seis convidados.

No seu discurso, apela a que o país acorde para a nova realidade resultante da pandemia de covid-19 e aproveite os próximos meses e anos como “uma oportunidade única para mudar o que é preciso mudar, com coragem e determinação”.

46. 06 de novembro:

Seis meses depois, perante a propagação da covid-19 em Portugal, decreta novamente o estado de emergência, após proposta do primeiro-ministro, ouvidos os partidos e parceiros sociais e com autorização do parlamento, agora com menor apoio do que entre março e maio.

Quando fala ao país, pede um esforço coletivo para se evitar “um dezembro agravado”, com “restrições mais drásticas”.

47. 12 de novembro:

Presta depoimento por escrito como testemunha no caso de Tancos.

No depoimento, divulgado no portal da Presidência da República na Internet, declara que só soube que “poderia ter existido eventual encenação no aparecimento do material” de guerra furtado de Tancos através da então procuradora-geral da República, em julho de 2018.

48. 07 de dezembro:

Anuncia finalmente a recandidatura ao cargo de Presidente da República, na pastelaria Versailles, junto ao Palácio de Belém, em Lisboa, onde funcionou a sua sede de campanha nas presidenciais de 2016. Faltavam 48 dias para as eleições presidenciais de 24 de janeiro, já marcadas no fim de novembro.

Numa declaração de cerca de dez minutos, sozinho, afirma que nunca sairia a meio desta “caminhada exigente e penosa”, apresenta-se como “exatamente o mesmo que avançou há cinco anos” e promete estabilizar e unir os portugueses, para vencer a atual crise.

2021

49. 24 de janeiro:

É reeleito com 60,67% dos votos expressos.

Antes de ser anunciada a sua vitória, fala várias vezes aos jornalistas à porta da sua residência, em Cascais, onde acompanha o apuramento dos resultados.

Vai ao volante do seu carro até à Faculdade de Direito de Lisboa, filmado em direto, com voltas pela Cidade Universitária, até terminarem as intervenções dos outros candidatos.

No discurso de vitória diz “ter a noção de que os portugueses, ao reforçarem o seu voto, querem mais e melhor” em proximidade, estabilidade, exigência, acrescentando: “Entendi esse sinal e dele retirarei as devidas ilações”.

50. 18 de fevereiro:

Envia para o Tribunal Constitucional o diploma do parlamento que despenaliza a morte medicamente assistida, para fiscalização preventiva da constitucionalidade, considerando que utiliza “conceitos altamente indeterminados”. Este pedido conduziria a um veto por inconstitucionalidade, em 15 de março.

51. 09 de março:

No dia da posse para um segundo mandato presidencial, volta a chegar a pé à Assembleia da República. Na sua intervenção, afirma ser “o mesmo de há cinco anos” e que assim continuará, “com qualquer maioria parlamentar, com qualquer Governo”, prometendo “independência, espírito de compromisso e estabilidade, proximidade, afeto, preferência pelos excluídos”.

Elege como “primeira prioridade” a defesa de “melhor democracia”, com “convergência no regime e alternativa clara na governação, estabilidade sem pântano”.

Do Palácio de Belém segue para o Porto, onde preside a uma cerimónia ecuménica nos Paços do Concelho e visita o Centro Cultural Islâmico.

52. 28 de março:

Promulga três decretos do parlamento sobre apoios sociais que o Governo alega serem inconstitucionais, por violação da chamada lei-travão inscrita na Constituição.

Face a estas promulgações, o primeiro-ministro anuncia, cinco dias depois, que vai pedir ao Tribunal Constitucional a fiscalização sucessiva destes decretos, com urgência. À saída de um lar de idosos, o Presidente reage afirmando que “não há nenhuma crise”.

53. 17 de maio:

Chega a Bissau, vindo de Cabo Verde, 31 anos depois de Mário Soares, o último Presidente português a fazer uma visita oficial à Guiné-Bissau.

“É uma eternidade”, comenta Marcelo Rebelo de Sousa à chegada.

Nesta visita é recebido pelo Presidente guineense, Umaro Sissoco Embaló, que tinha recebido em Lisboa em outubro de 2020, e encontra-se também com Domingos Simões Pereira, líder do PAIGC, na oposição.

54. 30 de julho:

Inicia uma visita de quatro dias ao Brasil, para participar na reinauguração do Museu da Língua Portuguesa, durante a qual se encontra os antigos presidentes brasileiros Lula da Silva, Fernando Henrique Cardoso e Michel Temer, em São Paulo, e é recebido pelo Presidente Jair Bolsonaro, em Brasília.

[arquivo] O Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa (E), conversa com o Presidente da República do Brasil, Jair Bolsonaro (D) durante o encontro no Palácio da Alvorada, em Brasília, Brasil, 2 de Agoto de 2021. FOTO RUI OCHÔA/ PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA/ LUSA

55. 29 de setembro:

Face a notícias sobre uma mudança da chefia da Armada, afasta a exoneração imediata de António Mendes Calado e lamenta ver o então vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, que tinha cessado funções na coordenação do plano nacional de vacinação, envolvido numa situação que podia parecer “de atropelamento de pessoas ou de instituições”.

Refere que a saída de Mendes Calado antes do fim do mandato estava acertada, mas não seria naquele momento, e realça que nesta matéria é sua “a palavra final”.

Esta polémica leva o primeiro-ministro a pedir-lhe uma audiência, acompanhado pelo ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, nessa mesma noite. No fim do encontro, o Presidente divulga uma nota em que declara “esclarecidos os equívocos suscitados a propósito da chefia do Estado-Maior da Armada”.

56. 13 de outubro:

À saída da inauguração das novas instalações da associação Ajuda de Berço, em Lisboa, depois de PCP e BE terem acenado com o voto contra o Orçamento do Estado para 2022 logo na votação na generalidade, avisa que isso “muito provavelmente” conduziria à dissolução do parlamento e legislativas antecipadas. Estima que as eleições seriam em janeiro e dramatiza os efeitos que isso teria no aproveitamento de fundos europeus.

57. 04 de novembro:

Na sequência do chumbo do Orçamento, em 27 de outubro, anuncia formalmente ao país, numa comunicação a partir do Palácio de Belém, a decisão de “devolver a palavra ao povo”.

“É o único caminho que permite aos portugueses reencontrarem-se neste momento com os seus representantes nacionais, decidirem o que querem para os próximos anos, que são anos determinantes, em efeitos da pandemia, em volume de fundos, para reconstruir a economia e a sociedade, e escolherem aquelas e aqueles que irão o mais rapidamente possível votar o Orçamento que faz falta a Portugal”, defende.

Sustenta que as divergências na base de apoio parlamentar do Governo eram “de fundo, de substância”, “inultrapassáveis”, e que “não havia a terceira via” de esperar por outra proposta de Orçamento.

A dissolução e a marcação de eleições legislativas para 30 de janeiro são decretadas em 05 de dezembro.

2022

58. 02 de fevereiro:

Três dias depois das legislativas de 30 de janeiro, que o PS vence com maioria absoluta, ouvidos os partidos, divulga uma nota a informar que comunicou a António Costa a “intenção de o indigitar como primeiro-ministro do XXIII Governo Constitucional, a qual será formalizada depois do apuramento dos votos dos círculos eleitorais da Europa e de fora da Europa”.

59. 18 de fevereiro:

Remete-se ao silêncio sobre o novo quadro político até à posse do Governo, que agora estima só se poder realizar no fim de março, depois de o Tribunal Constitucional ter determinado, por unanimidade, a repetição de eleições no círculo da Europa, devido à mistura de votos válidos com votos considerados inválidos.

60. 24 de fevereiro:

Convoca de urgência uma reunião do Conselho Superior de Defesa Nacional, após a Federação Russa iniciar uma ofensiva militar na Ucrânia, de madrugada.

Em declarações no Palácio de Belém, no fim desta reunião, condena a Rússia “pela violação ostensiva e flagrante do direito internacional” e realça a disponibilidade de Portugal para uma participação “muito significativa” de meios militares em missões da NATO “numa função de dissuasão”.

61. 30 de março:

Dá finalmente posse ao XXIII Governo Constitucional, composto por 17 ministros e 38 secretários de Estado do novo Governo, no Palácio da Ajuda, em Lisboa.

No seu discurso avisa António Costa que “não será politicamente fácil” a sua substituição na chefia do Governo a meio da legislatura, defendendo que os portugueses “deram a maioria absoluta a um partido, mas também a um homem”.

62. 01 de julho:

Viaja para o Brasil num voo comemorativo da travessia aérea do Atlântico Sul feita há cem anos por Gago Coutinho e Sacadura Cabral e antes da partida fica a saber que o Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, já não o iria receber em Brasília, devido ao encontro que tinha agendado com Lula da Silva para São Paulo.

Desdramatiza repetidas vezes o cancelamento desse almoço e as consequências nas relações bilaterais, uma das quais na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, onde nada e passeia no areal: “Mas qual problema? Eu só vejo não problemas. No Brasil nunca há problemas”.

Apesar deste episódio, dá como certa a sua presença em setembro nas comemorações do bicentenário da independência do Brasil, nas quais estaria ao lado de Bolsonaro, no que qualificou de “gesto histórico” em representação do Estado português.

[FOTO DE ARQUIVO] O Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa (E), cumprimenta o antigo presidente da República Federativa do Brasil e candidato às eleições presidenciais de outubro, Lula da Silva, durante o encontro no âmbito da deslocação ao Brasil, onde está a realizar uma visita oficial Brasil, na residência oficial do Cônsul-Geral de São Paulo, 3 de julho de 2022. PAULO NOVAIS/LUSA

63. 15 de julho:

Entrevistado por Francisco Pinto Balsemão, com quem esteve na criação do Expresso, antes do 25 de Abril, na fundação do PSD e no Governo, define-se como um católico não ortodoxo, “muito solitário”, que toma decisões seguindo “o providencialismo”, e afirma só se ter recandidatado a um segundo mandato por causa da pandemia de covid-19.

Nesta entrevista considera que o novo líder do PSD, Luís Montenegro, está fazer “um esforço como não se via há muito tempo” para unir o partido e que o sistema político “se está a compor”.

64. 11 de agosto:

Numa longa entrevista à jornalista Anabela Neves, para a CNN Portugal, feita enquanto conduz entre Lisboa e Viseu, lamenta-se por “os sucessivos líderes de direita” não se “colarem” ao Presidente: “Em vez de se colarem em mim, descolaram ostensivamente de mim. Quem é que colava a mim? O primeiro-ministro e o PS”.

“Eu devo dizer que o primeiro que dá alguns sinais de perceber isto é o atual líder do PSD [Luís Montenegro]. É o primeiro”, acrescenta.

Quanto a António Costa, descreve-o alguém “muito duradouro na sua resistência”, que adotou um modelo de governação “muito centralizado” e “acabou por criar na área onde se move um papel quase insubstituível”.

65. 11 de outubro de 2022:

Questionado sobre a recolha de 424 testemunhos de abusos sexuais contra crianças na Igreja Católica Portuguesa, declara não estar surpreendido, referindo que tem acompanhado o trabalho da comissão constituída para a recolha destas denúncias, para as quais, salienta, “não há limite de tempo”, havendo queixas de “há 60 ou há 70 ou há 80 anos”.

“Portanto, o que significa que estamos perante um universo de pessoas que se relacionou com a Igreja Católica de milhões de jovens ou muitas centenas de milhares de jovens. Haver 400 casos não me parece que seja particularmente elevado, porque noutros países e com horizontes mais pequenos houve milhares de casos”, acrescenta.

Recebe críticas de dirigentes de quase todos os partidos, que veem nestas declarações uma desvalorização das queixas, mas o primeiro-ministro expressa-lhe solidariedade: “Eu acho que quem tem feito esta interpretação é que deve um pedido de desculpas ao Presidente da República”.

O chefe de Estado explica que o número de queixas está abaixo do que estima ser a realidade de casos em Portugal e acaba por desculpar-se perante as vítimas de abusos sexuais, “se porventura entenderam, uma que seja das vítimas, que está ofendida”.

66. 15 de outubro de 2022:

Numa cerimónia em Amarante, distrito do Porto, assinala a presença do “sempre primeiro-ministro Pedro Passos Coelho”, a quem se dirige “para lembrar quanto Portugal lhe deve no passado e quanto Portugal está seguro de lhe vir a dever muito mais no futuro”.

Aos jornalistas, reforça essa mensagem: “Entendo que, sendo tão novo, o país pode esperar, deve esperar muito do seu contributo no futuro, não tenho dúvidas”.

67. 05 de novembro:

Ao discursar na Trofa, distrito do Porto, fala diretamente para a ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, a quem diz que ninguém é obrigado a aceitar funções políticas e quando as aceita “é para o bem e para o mal”, com “escrutínio constante” e uma proporção de “dois dias felizes por dez dias infelizes”.

“Este é um dia superfeliz, mas há dias super-infelizes. E verdadeiramente super-infeliz para si será o dia em que eu descubra que a taxa de execução dos fundos europeus não é aquela que deve ser. Nesse caso eu não lhe perdoo. Não lhe perdoo. E há milhares de testemunhas daquilo que eu estou a dizer hoje. Eu espero que esse dia não chegue, mas estarei atento para o caso de chegar”, avisa.

68. 17 de novembro de 2022:

Ao comentar um jogo de preparação da seleção portuguesa de futebol, contra a seleção da Nigéria, no Estádio José Alvalade, em Lisboa, antes do Mundial do Qatar, afirma: “Eu acho que o Qatar não respeita os direitos humanos e, portanto, aquilo, toda a construção dos estádios e tal, enfim, é muito discutível, mas esqueçamos isso, agora concentremo-nos – nem é discutível é criticável –, mas concentremo-nos na equipa”.

Uma semana depois assiste no Qatar ao jogo Portugal-Gana, antes do qual participa numa conferência em que deixa mensagens em defesa dos direitos humanos, da liberdade e da inclusão de todos, incluindo migrantes e independentemente de orientações sexuais e de género.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (C), acompanhado por jovens assiste ao jogo do Mundial de Futebol entre Portugal e Uruguai, em Braga, 28 de novembro de 2022. HUGO DELGADO/LUSA

2023

69. 01 de janeiro:

Assiste, em Brasília, à posse de Lula da Silva como Presidente do Brasil, que já tinha recebido em Portugal em novembro e que o recebe no dia seguinte no Palácio do Planalto.

De noite é divulgada em Portugal a sua mensagem de Ano Novo, gravada na capital brasileira, em que aponta 2023 como um ano decisivo e diz que o Governo de maioria absoluta tem por isso mesmo “responsabilidade absoluta” e só ele e a sua maioria “podem enfraquecer ou esvaziar” a estabilidade política, “ou por erros de orgânica, ou por descoordenação, ou por fragmentação interna, ou por inação, ou por falta de transparência, ou por descolagem da realidade”.

70. 06 de janeiro:

À saída de uma sessão comemorativa dos 50 anos do Expresso, em Lisboa, em resposta ao “coro de críticas à governação apontando quase para a dissolução”, declara-se “de uma estabilidade em termos institucionais total” e adianta que “não contem com a dissolução do parlamento”.

“Não, não contem comigo com isso. Portanto, é melhor, à partida, não contarem. Contam comigo para ter o mesmo comportamento institucional que tive durante sete anos”, acrescenta.

IEL // JPS

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco via email para geral@lux24.lu.
Siga o LUX24 nas redes sociais. Use a #LUX24 nas suas publicações.
Faça download gratuito da nossa ‘app’ na Google Play ou na App Store.
Publicidade
Publicidade