Marcelo Rebelo de Sousa e Filipe Nyusi, em Moçambique, 14.01.2020 – FOTO: ANTÓNIO SILVA/LUSA

Os presidentes português e moçambicano analisaram hoje dois casos por resolver em Moçambique de homicídio e desaparecimento de portugueses, num encontro oficial entre ambos, em Maputo.

“Passámos em revista” os dois casos, do homicídio de Inês Botas e do desaparecimento de Américo Sebastião, disse aos jornalistas, no final do encontro, o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi.

A conversa entre os chefes de Estado serviu “para ver quais são os passos” que foram dados e os que se seguem no processo, bem como para aprofundar “o que o judiciário está a fazer”, acrescentou, sem mais detalhes.

O Presidente moçambicano reiterou a vontade de seguir os processos, até hoje inconclusivos, o que tem motivado intervenções de familiares das vítimas e de diversas figuras do Estado português.

Nyusi disse aos jornalistas que espera encontrar-se em breve, por exemplo, com a esposa de Américo Sebastião, depois de ter sabido que ela se encontra em Moçambique, para continuar a acompanhar o assunto.

“Hei de falar [com ela], temos falado muitas vezes”, concluiu.

Inês Botas foi raptada e assassinada em 28 de dezembro de 2017 em Moçambique, onde trabalhava ao serviço da empresa portuguesa Ferpinta, na zona da Beira, centro do país.

Poucos dias após o crime, as autoridades judiciais da província de Sofala, centro de Moçambique, decretaram a prisão preventiva de três suspeitos, mas o julgamento continua por se realizar e um dos suspeitos já fugiu da prisão.

Américo Sebastião foi raptado em 29 de julho de 2016 em Nhamapadza, província de Sofala, centro de Moçambique, desconhecendo-se até hoje o que lhe aconteceu.

O empresário agrícola e madeireiro foi levado por desconhecidos numa viatura, quando se encontrava numa estação de serviço, numa altura em que a zona era palco de confrontos entre as forças de defesa e segurança e o braço armado da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo).

“O Estado português tem proporcionado não só contactos permanentes” com os familiares, “mas também apoio, porque, tanto num caso como noutro” trata-se de “questões jurídicas”, detalhou na segunda-feira Marcelo Rebelo de Sousa.

Marcelo Rebelo de Sousa e Filipe Nyusi, em Moçambique, 14.01.2020 – FOTO: ANTÓNIO SILVA/LUSA

Questões jurídicas por esclarecer que no caso do homicídio de Inês Botas, em 2017, “dizem respeito aos tribunais, em termos de lentidão do processo”, enquanto que sobre o desaparecimento de Américo Sebastião, em 2016, estão em causa “as investigações prévias à intervenção do tribunal”, a cargo do Ministério Público moçambicano.

Marcelo sublinhou que Portugal tem tido no Presidente da República, primeiro-ministro e ministro dos Negócios Estrangeiros intervenientes “muito constantes no sentido de procurar proporcionar as melhores condições para o apuramento da verdade”.

Os dois casos fizeram parte de uma nota publicada em 19 de dezembro na página oficial da Presidência da República portuguesa, em que o chefe de Estado se comprometeu a acompanhar a evolução dos processos.

 

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões ou sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade

Todas as notícias e conteúdos no LUX24 são e continuarão a ser disponibilizadas gratuitamente, mas nunca como agora precisamos da sua ajuda para continuar a prestar o nosso serviço público.

Somos uma asbl – associação sem fins lucrativos – e não temos qualquer apoio estatal ou institucional, apesar do serviço público que diariamente fazemos em prol da comunidade portuguesa e lusófona residente no Luxemburgo, e já sentimos o efeito da redução da publicidade, que nos garante a manutenção do nosso jornal online.

A imprensa livre não existe nem sobrevive, sem o suporte activo dos seus leitores – sobretudo em épocas como esta, quando as receitas de publicidade se reduziram abruptamente, e nós continuamos a trabalhar a 100%.

Só lhe pedimos que esteja connosco nesta hora e nos possa ajudar com o seu donativo, seja ele de que valor for. Prometemos que continuaremos a ser a sua companhia de todas as horas.

Pode fazer o seu donativo por transferência bancária para a conta do LUX24:
IBAN: LU790250045896982000
Código BIC: BMECLULL

LUX24 asbl
#VaiFicarTudoBem

Publicidade