Manifestação "Receção antifascista a Marine Le Pen", a propósito da visita líder da União Nacional francesa (ex-Frente Nacional, extrema-direita), Marine Le Pen, para o lançamento da campanha eleitoral do candidato presidencial do Chega, André Ventura. Manifestação convocada pela Rede Unitária Antifascista (RUA), que junta diversas organizações, antifascistas, feministas e "empenhadas na luta contra o racismo ou pelos direitos laborais", Lisboa 10 de janeiro de 2021. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Mais de duas centenas de pessoas concentraram-se hoje em Lisboa contra a presença em Portugal da líder da União Nacional francesa, Marine Le Pen, e na defesa da luta contra o fascismo e o racismo.

O cartaz de João Jorge dizia apenas “Fratelli Tutti” (“Todos irmãos”). O jovem católico de 28 anos não pertence a qualquer das muitas organizações envolvidas no protesto de hoje contra a “receção antifascista a Marine Le Pen”. À Lusa, contou que hoje foi a primeira vez que participou numa manifestação, porque agora “a democracia está em perigo”.

João foi um dos mais de 200 participantes no protesto convocado pela Rede Unitária Antifascista (RUA), que juntou organizações antifascistas, antirracistas, de defesa dos direitos laborais, ecologistas, feministas e pelos direitos LGBTQIA+.

A concentração contra a presença da líder da União Nacional francesa, Marine Le Pen, em Lisboa, para o lançamento da campanha eleitoral do candidato presidencial do Chega, André Ventura, começou às 11:00 no Largo Camões.

“Está em perigo o desmoronar de um progresso civilizacional que é a democracia, que tem os seus defeitos, mas é o cúmulo da civilização”, alertou João Jorge, que participou na manifestação ao lado da mulher, Cátia Tuna, que também se estreou hoje em protestos de rua.

“Existe meia dúzia de oportunistas que podem pôr em causa aquilo que de bom tanto custou a tantas vidas construir. Melhor do que isto não temos. Esses senhores são oportunistas e é uma vergonha”, alertou, referindo-se a André Ventura e aos simpatizantes do partido Chega.

O jovem admitiu sentir “vergonha enquanto cristão” por existirem em Portugal “correntes de cristianismo contrárias ao próprio evangelho e que defendem exatamente o seu contrário”.

Lembrando a mensagem do papa Francisco que pede que o amor ultrapasse “as barreiras da geografia e do espaço”, João Jorge escolheu a simplicidade do título da Enciclíca do Papa – “Fratelli Tutti” – para o seu cartaz.

Cátia Tuna acrescentou que “Ventura e Le Pen estão a estragar aquilo que demorou muito tempo a construir, que é a democracia e a liberdade”.

“A razão que nos traz aqui tem uma dupla vertente: porque somos cristãos, e porque somos contra o autoritarismo e o nacionalismo”, explicou.

Por outras palavras, Danilo Moreira, da Rede Unitária Antifascista, corroborou a ideia do casal: “Ficamos indignados com a presença de Le Pen e não podemos ficar em silêncio”.

“Achamos inadmissíveis os discursos de ódio perpetuados de André Ventura e pelo próprio partido de Le Pen”, acrescentou Danilo Moreira, em declarações à Lusa, lembrando que “os direitos humanos de todos estão postos em casa”.

Em risco estão também os direitos laborais, acrescentou, lembrando que “quem tem acompanhado os grupos de extrema-direita vê que tentam erradicar todos os direitos dos trabalhadores”.

Durante toda a manhã ouviram-se palavras de ordem e entoaram-se cânticos defendendo que “o país não permanecerá em silêncio face ao desfile da intolerância”.

Os manifestantes prometeram continuar a lutar por uma “sociedade livre de racismo e xenofobia, intolerância, discriminação, sexismo, homofobia e desigualdade”.

Na luta e no alerta contra a normalização da extrema-direita em Portugal feitos hoje no Largo Camões em Lisboa, vários manifestantes lembraram o recente acordo, nos Açores, entre o Chega e o PSD.

O protesto foi pacífico e tentou respeitar as regras de segurança sanitária devido à pandemia de covid-19. O uso de máscara era generalizado, mas nem sempre se cumpriu o distanciamento físico.

No manifesto escrito para o protesto de hoje recordou-se a frase de André Ventura em declarações ao Jornal de Notícias: “Será um orgulho enorme ter a Marine Le Pen ao meu lado em Lisboa”.

Os manifestantes recordaram declarações da líder da Frente Nacional, “a cara da extrema-direita francesa” e de um partido que tem como “prática comum” atacar imigrantes, refugiados e pessoas de várias raças.

Durante o protesto foi também recordado o ataque perpetrado pelo partido de Le Pen, em 2015, a um clube português no sudeste de Paris, com frases como “Morte aos portugueses. Viva a FN”.

Os protestantes criticaram ainda que o Chega use a campanha presidencial “para dar mais alcance aos seus ideais fascistas”.

“Impedir a normalização dos discursos populistas e fascistas que se aproveitam das desigualdades e do preconceito para enganar milhares de pessoas, virando trabalhadores contra trabalhadores”, foi outro dos motivos do protesto, onde a frase mais ouvida foi “Fascismo nunca mais. Não passarão”.

A campanha eleitoral para a Presidência da República arrancou hoje e as eleições decorrem em 24 de janeiro.

SIM // ROC

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade