O primeiro-ministro António Costa durante a cerimónia de cumprimentos de Boas Festas do Governo ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, na Sala dos Embaixadores do Palácio de Belém, em Lisboa, 23 dezembro 2021. MANUEL DE ALMEIDA / LUSA

O primeiro-ministro português pediu o voto de “metade mais um” dos eleitores que forem às urnas em 30 de janeiro, sem recorrer ao termo “maioria absoluta”, e reiterou que se demitirá se perder as eleições legislativas.

Entrevistado na CNN Portugal, António Costa foi questionado se a palavra “absoluta” queima e se o objetivo eleitoral é mesmo a maioria absoluta e respondeu sem hesitar, mas voltando a evitar a palavra “absoluta”.

“Não é uma questão de queimar, maioria é maioria. O que é que é maioria? É metade mais um. Pronto, é isso, para mim é muito claro”, respondeu o líder socialista e chefe do executivo à questão colocada pela jornalista Anabela Neves.

António Costa reiterou, por outro lado, que abandonará o Governo se perder as eleições legislativas antecipadas de 30 de janeiro.

“Se uma pessoa é primeiro-ministro durante seis anos, se durante seis anos os portugueses têm a oportunidade de acompanhar e avaliar o trabalho, e se ao fim de seis anos não dão confiança ao primeiro-ministro com uma vitória eleitoral, bom, isso é manifestamente um voto de desconfiança dos portugueses no primeiro-ministro e, então, aí eu tenho de tirar as devidas conclusões e demitir-me”, assinalou.

O líder do executivo justificou em poucas palavras as razões que o levaram a não fazer uma remodelação do Governo e assegurou que se achasse que Eduardo cabrita deveria ter saído do Ministério da Administração Interna mais cedo, teria mexido no executivo.

“Eu não acho que o país tenha algo a ganhar com mudanças sucessivas [no Governo] nem acho que se governe bem inventando bodes expiatórios para os problemas que existem. Um dos problemas que o país tem tido é haver em vários ministérios instabilidade permanente e eu orgulho-me bastante de ter tido um Governo bastante estável”, sustentou.

JPS // SF

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade