As autoridades interceptaram o grupo de migrantes que desembarcou ilegalmente ao início da tarde na ilha Deserta, em Faro, e que se colocou em fuga de seguida, disse à Lusa fonte da Autoridade Marítima, Faro, 15 de setembro de 2020. LUÍS FORRA /LUSA

As autoridades interceptaram o grupo de migrantes que desembarcou ilegalmente ao início da tarde na ilha Deserta, em Faro, e que se colocou em fuga de seguida, disse à Lusa fonte da Autoridade Marítima.

Segundo o comandante da Zona Marítima do Sul, o grupo de 28 migrantes, alegadamente proveniente de Marrocos e que inclui três mulheres, estava às 16:30 “em trânsito para o cais comercial de Faro a bordo de embarcações da Polícia Marítima e da GNR”.

Quando chegar a terra, o grupo seguirá de autocarro para a Base de Apoio Logístico de Quarteira, onde será sujeito à realização de testes de despiste à covid-19, prevendo-se que seja depois entregue ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, acrescentou Fernando Rocha Pacheco.

A embarcação em que os 28 migrantes chegaram à ilha tem cerca de sete metros e é semelhante às usadas nos outros cinco desembarques ilegais registados na região desde dezembro.

O desembarque foi comunicado às autoridades via 112 por pessoas que se encontravam na praia, naquela ilha, que não possui habitantes e apenas tem um restaurante e um apoio de praia.

No local estiveram pelo menos 18 elementos da Polícia Marítima, apoiados por quatro embarcações e outros meios.

Na operação estiveram também envolvidos elementos da Unidade de Controlo Costeiro da GNR.

Este é o sexto de desembarque ilegal na costa algarvia envolvendo migrantes do Norte de África.

O mais recente caso ocorreu em julho, quando um grupo de 21 homens, alegadamente marroquinos, desembarcaram na ilha do Farol, também no concelho de Faro.

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões ou sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade

Todas as notícias e conteúdos no LUX24 são e continuarão a ser disponibilizadas gratuitamente, mas nunca como agora precisamos da sua ajuda para continuar a prestar o nosso serviço público.

Somos uma asbl – associação sem fins lucrativos – e não temos qualquer apoio estatal ou institucional, apesar do serviço público que diariamente fazemos em prol da comunidade portuguesa e lusófona residente no Luxemburgo, e já sentimos o efeito da redução da publicidade, que nos garante a manutenção do nosso jornal online.

A imprensa livre não existe nem sobrevive, sem o suporte activo dos seus leitores – sobretudo em épocas como esta, quando as receitas de publicidade se reduziram abruptamente, e nós continuamos a trabalhar a 100%.

Só lhe pedimos que esteja connosco nesta hora e nos possa ajudar com o seu donativo, seja ele de que valor for. Prometemos que continuaremos a ser a sua companhia de todas as horas.

Pode fazer o seu donativo por transferência bancária para a conta do LUX24:
IBAN: LU790250045896982000
Código BIC: BMECLULL

LUX24 asbl
#VaiFicarTudoBem

Publicidade