Um profissional de saúde faz um teste a um paciente na urgência do Hospital Geral dos Covões transformado numa unidade dedicada a doentes Covid-19, onde funciona a Urgência, Cuidados Intensivos e Enfermaria de Cuidados Intermédios , 22 maio 2020 em Coimbra. FOTO: PAULO CUNHA /LUSA

Portugal regista hoje 1.302 mortes relacionadas com a Covid-19, mais 13 do que na sexta-feira, e 30.471 infectados, mais 271, segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde.

Em comparação com os dados de sexta-feira, em que se registavam 1.289 mortos, hoje constatou-se um aumento de óbitos de 1%.

Relativamente ao número de casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus (30.471), os dados da Direção-Geral da Saúde (DGS) revelam que há mais 271 casos do que na sexta-feira (30.200), representando uma subida de 0,89%.

A região Norte é a que regista o maior número de mortos (732), seguida da região de Lisboa e Vale do Tejo (309), do Centro (230), do Algarve (15), dos Açores (15) e do Alentejo, que regista um óbito, adianta o relatório da situação epidemiológica, com dados actualizados até às 24:00 de sexta-feira, mantendo-se a Região Autónoma da Madeira sem registo de óbitos.

Segundo os dados da Direção-Geral da Saúde, 666 vítimas mortais são mulheres e 636 são homens

Das mortes registadas, 880 tinham mais de 80 anos, 252 tinham entre os 70 e os 79 anos, 115 tinham entre os 60 e 69 anos, 39 entre 50 e 59, 15 entre os 40 e os 49 e um dos doentes tinha entre 20 e 29 anos.

A caracterização clínica dos casos confirmados indica que 550 doentes estão internados em hospitais, menos 26 do que na sexta-feira (-4,7%), e 80 estão em Unidades de Cuidados Intensivos, menos 4 (-5%).

A recuperar em casa estão 20.834 pessoas.

Os dados da DGS precisam que o concelho de Lisboa é o que regista o maior número de casos de infeção pelo novo coronavírus (2.146), seguido por Vila Nova de Gaia (1.551), Porto (1.347) Matosinhos (1.264), Braga (1.206) e Gondomar (1.073).

Desde o dia 01 de janeiro, registaram-se 308.584 casos suspeitos, dos quais 2.308 aguardam resultado dos testes

Há 275.805 casos em que o resultado dos testes foi negativo, refere a DGS, adiantando que o número de doentes recuperados subiu para 7.705 (mais 115, +1,5%).

A região Norte continua a registar o maior número de infecções, totalizando 16.664, seguida pela região de Lisboa e Vale do Tejo, com 9.292, da região Centro, com 3.676, do Algarve (361) e do Alentejo (253).

Os Açores registam 135 casos de Covid-19 e a Madeira contabiliza 90 casos confirmados, de acordo com o boletim hoje divulgado.

A DGS regista também 26.130 contactos em vigilância pelas autoridades de saúde.

Do total de infectados, 17.702 são mulheres e 12.769 são homens.

A faixa etária mais afectada pela doença é a dos 40 aos 49 anos (5.147), seguida da faixa dos 50 aos 59 anos (5.100) e das pessoas com mais de 80 anos (4.417 casos).

Há ainda 4.515 doentes com idades entre 30 e 39 anos, 3.876 entre os 20 e os 29 anos, 3.376 entre os 60 e 69 anos e 2.488 com idades entre 70 e 79 anos.

A DGS regista também 567 casos de crianças até aos nove anos e 985 de jovens com idades entre os 10 e os 19 anos.

De acordo com a DGS, 40% dos doentes positivos ao novo coronavírus apresentam como sintomas tosse, 29% febre, 21% dores musculares, 20% cefaleia, 15% fraqueza generalizada e 12% dificuldade respiratória. Esta informação refere-se a 90% dos casos confirmados.

A pandemia do novo coronavírus já matou pelo menos 338.128 pessoas e infectou mais de 5,2 milhões em todo o mundo desde dezembro, segundo um balanço da agência AFP, às 11:00 de hoje, baseado em dados oficiais.

De acordo com os dados recolhidos pela agência de notícias francesa, já morreram pelo menos 338.128 pessoas e há mais de 5.218.261 em 196 países e territórios desde o início da epidemia, em dezembro de 2019 na cidade chinesa de Wuhan.

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões ou sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade

Todas as notícias e conteúdos no LUX24 são e continuarão a ser disponibilizadas gratuitamente, mas nunca como agora precisamos da sua ajuda para continuar a prestar o nosso serviço público.

Somos uma asbl – associação sem fins lucrativos – e não temos qualquer apoio estatal ou institucional, apesar do serviço público que diariamente fazemos em prol da comunidade portuguesa e lusófona residente no Luxemburgo, e já sentimos o efeito da redução da publicidade, que nos garante a manutenção do nosso jornal online.

A imprensa livre não existe nem sobrevive, sem o suporte activo dos seus leitores – sobretudo em épocas como esta, quando as receitas de publicidade se reduziram abruptamente, e nós continuamos a trabalhar a 100%.

Só lhe pedimos que esteja connosco nesta hora e nos possa ajudar com o seu donativo, seja ele de que valor for. Prometemos que continuaremos a ser a sua companhia de todas as horas.

Pode fazer o seu donativo por transferência bancária para a conta do LUX24:
IBAN: LU790250045896982000
Código BIC: BMECLULL

LUX24 asbl
#VaiFicarTudoBem

Publicidade