O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, acompanhado pela presidente da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome e da ENTRAJUDAS, Isabel Jonet, intervém durante a visita ao Banco Alimentar, em Lisboa, 23 de maio de 2020. FOTO: ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, comentou este sábado (23) a decisão do Governo espanhol de abrir as fronteiras em julho, considerando que temas como esse devem ser tratados “num clima bilateral”, sob o risco de “não dar certo”.

O presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez, anunciou que vai abrir fronteiras em julho e promete dar garantias de segurança sanitária aos turistas, desafiando os espanhóis a planificarem as suas férias, desde já, em território nacional.

“Eu não queria falar desse tema, porque é um tema que nós entendemos que deve ser tratado num clima bilateral. Se é um clima bilateral, tudo o que unilateralmente seja feito por um lado, sem ser em conversa com o outro, tem fortes probabilidades de não dar certo”, advertiu o chefe de Estado português.

Falando aos jornalistas à margem de uma visita ao Banco Alimentar Contra a Fome, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa destacou que prefere “seguir o caminho que tem sido seguido na parte portuguesa, que é o caminho bilateral”.

“Fecha-se de comum acordo e depois os passos são dados, quaisquer que eles sejam, são passos que não devem ser unilaterais. Não pode ser um Estado a dizer ‘eu entendo’ – ou não deve ser – ‘eu entendo isto’, sem haver uma concertação como outros”, defendeu o Presidente da República.

Na ocasião, Marcelo Rebelo de Sousa foi questionado também sobre as negociações com Espanha e com o Reino Unido, com o objectivo de criar corredores que facilitem as deslocações de emigrantes e turistas a Portugal sem terem de cumprir a quarentena imposta por aqueles países, decorrente da pandemia de Covid-19.

Aos jornalistas, o Presidente adiantou que estas negociações estão a decorrer também “com outros países” e concretizou que Portugal “tem estado a fazer diligência diplomáticas” para “perceber se há, ou não, outros países, no domínio do turismo, em que haja interesse para se criar qualquer coisa como corredores para o turismo”.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, faz o seu donativo online, durante a visita ao Banco Alimentar, em Lisboa, 23 de maio de 2020. FOTO: ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Instado a detalhar com que países estão a ser feitos esses contactos, o Presidente respondeu: “Provavelmente sei [quais são], mas agora não me ocorre”.

“Ou se começa a tratar disso com antecedência, ou depois é tratado em cima da hora. Faz sentido começar a tratar agora, mesmo que a questão se coloque daqui a um mês, dois meses, três meses, quatro meses”, defendeu, considerando que “o pior que pode haver na política, como na vida, é deixar para o último minuto o começar a falar desses temas”.

No final da visita, o Presidente foi também questionado sobre a TAP e o facto de o Governo não excluir o cenário de insolvência da companhia aérea.

“Tudo o que o Presidente da República disser sobre isso só dificulta, não facilita. E nas situações que já são complexas, estar o Presidente da República a opinar – qual cidadão Marcelo Rebelo de Sousa – sobre que TAP é que gostaria, que capital para a TAP, que solução financeira, qualquer um de nós com a experiência que tem na vida – eu como sou um bocadinho mais velho tenho mais experiência – nós sabemos que isso não vai facilitar nada, só vai dificultar”, defendeu.

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões ou sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade

Todas as notícias e conteúdos no LUX24 são e continuarão a ser disponibilizadas gratuitamente, mas nunca como agora precisamos da sua ajuda para continuar a prestar o nosso serviço público.

Somos uma asbl – associação sem fins lucrativos – e não temos qualquer apoio estatal ou institucional, apesar do serviço público que diariamente fazemos em prol da comunidade portuguesa e lusófona residente no Luxemburgo, e já sentimos o efeito da redução da publicidade, que nos garante a manutenção do nosso jornal online.

A imprensa livre não existe nem sobrevive, sem o suporte activo dos seus leitores – sobretudo em épocas como esta, quando as receitas de publicidade se reduziram abruptamente, e nós continuamos a trabalhar a 100%.

Só lhe pedimos que esteja connosco nesta hora e nos possa ajudar com o seu donativo, seja ele de que valor for. Prometemos que continuaremos a ser a sua companhia de todas as horas.

Pode fazer o seu donativo por transferência bancária para a conta do LUX24:
IBAN: LU790250045896982000
Código BIC: BMECLULL

LUX24 asbl
#VaiFicarTudoBem

Publicidade