Isabel Tavares, poetisa, escreve semanalmente, às segundas, no LUX24.

PRIMAVERAS

 Meus olhos pousam na água onde passaram barcos!

Dentro de mim tenho uma criança que sempre amou o mar.

Quando desceram pelos meus olhos as primeiras gotas de outono

Jurei a mim própria, que no meu coração e na minha alma,

Seriam sempre Primaveras!…

 

É que não me falta um rasgo de amor, nem brisas frescas da manhã…

Não me falta o trinar dos pássaros, nem o tanger de uma guitarra.

Não me falta o sol na alma, nem estrelas que pousam nas minhas mãos…

Nem tão pouco me faltam sonhos, nem um pulsar doce no coração!

 

Não me faltam entardeceres, nem multicolores alvores matutinos!

Não me faltam risos com perfume almiscarado, nem anoiteceres lunares.

Sei que dentro de mim rego e alimento as rosas de algum jardim

E madrugadas que sempre me lembram jasmim, limão e alecrim!

 

Meu pensamento é solto e livre e sobe para as celestiais esferas…

E dentro do meu coração e da minha alma… só nascerão Primaveras!

 

AUTORIA: ISABEL TAVARES, 10-01-2010

(© Todos os Direitos de Autor Reservados)

Código do Direito de Autor e dos Direitos Conexos – Decreto-Lei n.º 63/85, de 14 de março – Diário da República n.º 61, Série I, de 14.03.1985 

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões ou sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade