NÃO É CHORO AMARGURADO

Quando me sinto mais débil,
Quando as forças são menos,
Eu nunca perco a esperança,
De dias bem mais amenos…

Logo, logo, estou de volta
A sorrir para todo o lado…
Mesmo que esteja chorando,
Não é choro amargurado…

São lembranças que me escorrem
Pelos olhos tão molhados…
São feridas que ainda doem
Não é choro amargurado…

São momentos já vividos…
Que teimam em bater à porta…
Vêm nus, vêm despidos…
Deixá-los ir… não importa!…

Deixo partir a tristeza,
Deixo entrar a alegria,
Eu vejo tanta beleza…
Quando nasce um novo dia!

Há uma nova promessa,
Tão cheia de claridades…
Quando o dia recomeça…
Tão cheio de possibilidades!

São largos os horizontes,
De quem sonha acordado.
É como a água das fontes,
Que jorra para todo o lado…

AUTORIA: ISABEL TAVARES, 15-05-2017
(© Todos os Direitos de Autor Reservados)
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

Isabel Tavares, poetisa, escreve semanalmente, às segundas, no LUX24.
Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade