25 DE ABRIL SEMPRE! (Poema livre)

Nessa manhã gloriosa, nesse amanhecer sonhado
ninguém escolheu uma rosa, e fez rei o rubro cravo!
Nascera a liberdade, na linda manhã de Abril…
Era um sonho acalentado, entre portas e vielas,
o povo saiu à rua e abriram-se as janelas!
Desfraldaram-se as bandeiras, da Liberdade aprendizes…
Arrancaram-se as mordaças… E abraçaram-se felizes!
Operários, lavradores, caixeiros e pescadores,
varinas e professores, cantadeiras e cantores,
trabalhadores tão contentes; de braços no ar gritando.
Despontara a madrugada! Que há muito andavam sonhando!…
A democracia mais esperada, mais sonhada e conspirada
entre amigos solidários; companheiros de jornada…
Que empreenderam esta luta… Com muitas perdas e feridas…
De morte e sangue manchada!..

O povo estava feliz, como nunca havia sido,
havia um clamor no ar…
Rostos choravam sorrindo, num sorriso emocionado…
Porque ali naquele dia, bem ali naquela hora,
o povo jurou para sempre… Nunca mais se calaria
nem seria amordaçado!…

E o povo trabalhador, que sua a malhar o trigo,
que lança as redes ao mar e faz da luta um abrigo…
É um povo solidário, um povo bom e valente…
É um povo de valor que nunca cala o que sente…
Tem o coração na boca e jura eternamente…
Que ninguém mais o amordaça…
25 de Abril… SEMPRE!

AUTORIA: ISABEL TAVARES, 24-04-2020
Código de Autor: (© Todos os Direitos de Autor Reservados)
Código do Direito de Autor e dos Direitos Conexos – Decreto-Lei n.º 63/85, de 14 de março – Diário da República n.º 61, Série I, de 14.03.1985 –

Isabel Tavares, poetisa, escreve semanalmente, às segundas, no LUX24.
Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade