VIDA VIVIDA

Vejo as ruas escorregadias
Da humidade da chuva
Luzes que acendem os dias
E que escondem as penumbras
Vejo portas que se abrem
Vejo portas que se fecham
Vejo beijos escondidos
Novos amores que despertam.

Vejo amigos que se querem
E outros que nem por isso
Alguns são muito sinceros
Outros, eu nem falo disso…
Esta vida é marcada
Por pessoas tão diferentes
Algumas não dizem nada
Passam pela vida, indiferentes.

A vida para ser vivida
De maneira gloriosa
Tem que ser feita de seda
E tem que cheirar a rosa
Tem que ter amor sincero
Aquele que nunca morre
Que não julga nem condena
Mas que perdoa e acolhe.

AUTORIA: ISABEL TAVARES, 20-11-2016

(© Todos os Direitos de Autor Reservados)
Código do Direito de Autor e dos Direitos Conexos – Decreto-Lei n.º 63/85, de 14 de março – Diário da República n.º 61, Série I, de 14.03.1985 –

Isabel Tavares, poetisa, escreve semanalmente, às segundas, no LUX24.
Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade