GOSTO MAIS DE CONSTRUIR

Dizem que o poeta tem que inquietar, mexer nas feridas,

Chorar…Revoltar-se contra tudo… E tudo questionar!…

 

Eu sou uma poetisa alegre, sei sorrir por entre lágrimas.

Sei dar a volta por cima, valorizar o que me alegra,

Tudo o que me faz sorrir, tudo aquilo que me anima

Porque esta vida tão cega… Tem tanto de amargor,

Que só me interessa é amar e ver em tudo…Amor!

 

Gosto mais de construir, gosto mais de me alegrar

Gosto mesmo é de sorrir em vez de me lamuriar…

A vida está tão pesada, já não há valores nem regras,

Tão depressa se é amada, como se é vilipendiada…

Tudo Muda tão depressa… Numa vida tão às cegas!

 

Para quê valorizar tanta dor que há nesta vida?

Bem melhor é harmonizar, é construir, é amar

É agradecer a DEUS por cada dia que passa

É poder ver e ouvir, poder mexer-se e andar,

E olhar para este céu… E perder-se neste mar!

 

E agradecer tanta graça… E nunca será somente…

Sentir o tempo passar… Ver só o tempo que passa!

 

Autoria: Isabel Tavares, 03-10-2018

© Todos os Direitos de Autor Reservados. Código do Direito de Autor e dos Direitos Conexos – Decreto-Lei n.º 63/85, de 14 de março – Diário da República n.º 61, Série I, de 14.03.1985.

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade