Isabel Tavares, poetisa, escreve semanalmente, às segundas, no LUX24.

“AQUELA DOENÇA…”

Vens cobardemente de mansinho
Trazes um terramoto à nossa vida
És um grito de revolta tão sozinho
Na nossa existência abriste… a ferida!

O mundo todo desaba à nossa volta
O céu, a terra e o mar perdem a cor
Sentimos que a nossa alma anda solta
E nem vemos a beleza… de uma flor!

A escuridão… tomou conta de nós
Enroscamo-nos e ficamos tão pequenos
Não há nada, nem ninguém, estamos sós
Que nos deixem gritar sozinhos… pelo menos!

A notícia que sempre mais tememos
Aquela que apavora e… trucida
A nossa alma chora e… rezamos
Pedimos ao SENHOR pela nossa vida!

AUTORIA: ISABEL TAVARES, 04-02-2015

*Porque no passado dia 4 de Fevereiro comemorou-se o dia da luta contra o cancro. Homenagem da Isabel Tavares a todos que lutam, que  lutaram, que venceram e que perderam esta batalha desigual…

(© Todos os Direitos de Autor Reservados)

Código do Direito de Autor e dos Direitos Conexos – Decreto-Lei n.º 63/85, de 14 de março – Diário da República n.º 61, Série I, de 14.03.1985 –

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões ou sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade