Miguel Silva, psicólogo, escreve semanalmente às terças no LUX24.

Férias…

As férias de verão são um período de tempo muito sonhado para compensar a acumulação de stress e o seu impacto negativo na nossa saúde física (e.g., doenças cardíacas, problemas intestinais, problemas no sono, entre outros) e psicológica (e.g., irritabilidade, ansiedade, depressão, dificuldade de memória, entre outros).

Vários estudos científicos confirmam que as férias não só reduzem o stress e os efeitos a ele associados, como também aumentam a nossa produtividade quando voltamos ao trabalho, o nosso bem-estar e satisfação com a vida (Domingues, 2020).

Para minimizar estes efeitos negativos é importante reservar tempo para “recarregar baterias”. Para tal, é chegado o momento em que podemos “desligar” do trabalho e descontrair junto da família e amigos (sobre questões de saúde é importante manter-se “ligado” e atualizado).

O ano de 2020 convidou-nos para um desafio comum a todos nós: aprender a lidar com o inesperado e com todos os medos subjacentes às nossas dúvidas e incertezas.

Lidar com isso obriga-nos a fazer um esforço extra quer ao nível social e familiar, como também ao nível profissional (por exemplo, reajustar a data das tão desejadas férias).

Neste ano de 2021, apesar das diferenças nas medidas de restrição, sentidas um pouco por todo o mundo, devemos continuar a ser prudentes, responsáveis e continuarmos a cuidar da nossa saúde e da dos outros, mantendo as medidas de proteção no combate à COVID-19.

Se vai de férias, não se esqueça de ligar o “AC”.

Não, não me refiro ao ar condicionado! Refiro-me às palavras aceitar e confrontar.

Portanto, antes de ir de férias, aceite as seguintes recomendações (OPP,2020):

  • As férias servem para “descontrair”, mas as medidas de proteção individual são para cumprir;
  • Para que tenha umas férias de “sonho” será necessário ajustar expectativas;
  • As férias servem para nos “divertirmos”, mas devem respeitar o ritmo de cada um;
  • As férias são para “relaxar”, mas é preciso manter-se alerta.

Se o “plano A” falhar, aceite e confronte-se com um “plano B”. Mas, como?

Tome nota de duas sugestões (OPP,2020):

  • Pesquise e recolha sugestões junto de familiares e amigos sobre possíveis atividades a realizar neste período;
  • Envolva todos os elementos da família ou as pessoas com quem vai de férias.

A si, que está desse lado, desejo-lhe umas excelentes férias. Esteja você onde estiver, não se esqueça, um psicólogo pode ajudar. Boa viagem!

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade