O psicólogo Miguel Silva, escreve semanalmente no LUX24.

O termo autorrealização diz respeito à tendência para procurar e concretizar o potencial interno aos seres humanos (e.g., potencial intrínseco). Ao mesmo tempo, é considerado um termo complexo e abrangente, que inclui os processos de diferenciação humana, autonomia e crescimento individual, autodescoberta e autoexploração de si mesmo, procura de conhecimentos e de domínio sobre o desconhecido, expressão da criatividade e, por fim, criação de um sentido para a vida.

Para atingirmos o potencial interno que habita dentro do ser humano, é necessário abordar duas dimensões importantes, a saber:

  1. Conciliação de uma orientação para si próprio, que pressupõe uma passagem pela concretização do potencial individual;
  2. Orientação para os outros (e.g., outras pessoas). Ou seja, implica a dimensão altruísta da contribuição individual para a promoção social e o avanço ou melhoria das sociedades.

De acordo com Seligman (2004), fundador da psicologia positiva, o pensamento humano assume que, quando os indivíduos vivem vidas que são contrárias ou divergem da sua tendência à autorrealização tendem a manifestar sofrimento psicológico, problemas relacionais ou uma saúde física ou mental mais pobre.

A título de exemplo, se a escolha de uma carreira profissional teve por base a expetativa familiar e não o desejo ou interesse interno (e.g., aquele que vive no seu interior!), o seu processo de adaptação e satisfação profissional poderá ficar comprometido e prejudicado.

Autorrealização: querer é poder!

Costumo utilizar esta expressão no final do texto, mas desta vez vou ser diferente. Se a sua vontade é tornar real e concretizar o seu potencial interno não desista, um psicólogo pode ajudar!

Quando digo que “querer é poder” refiro-me à força ou tendência central na motivação humana. Esta força é assumida como o processo pelo qual as pessoas mudam, a partir da mobilização dos recursos internos da pessoa.

A autorrealização é uma tendência que está presente em todas as pessoas e que abarca desde a concretização das necessidades mais básicas do indivíduo (e.g., comer e dormir), as necessidades de socialização (e.g., sentir-se próximo das outras pessoas com amor e proteção) e as necessidades de diferenciação e autonomia (e.g., tornar-se bem-sucedido, sentir mestria em vários aspetos e contribuir para uma sociedade melhor) (Golstein, 1995).

O famoso psicólogo americano Abraham Maslow (referido no artigo de opinião “Um M&M (mudança & motivação) por dia não sabe o bem que lhe fazia!”) caracterizou a motivação humana segundo uma pirâmide de diferentes necessidades a concretizar.

Concomitantemente, para o autor supracitado, a autorrealização é assumida como a concretização das necessidades mais elevadas da pessoa (e.g., autonomia, criatividade, domínio e sucesso) e consiste no último patamar de concretização humana e desenvolvimento psicológico que se atinge apenas quando todas as restantes necessidades físicas e mentais estejam cumpridas e asseguradas (Baptista & Neto, 2019).

Então, posto isto, quais são as suas necessidades?

Lembre-se: querer é poder!

E já sabe: Um psicólogo pode ajudar!

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade