O Governo venezuelano acusa Portugal de minimizar as acusações de irregularidades no voo da TAP que transportou, na terça-feira, desde Lisboa até Caracas, o líder opositor Juan Guaidó, segundo um comunicado divulgado ‘pelo Ministério das Relações Exteriores.

Na nota, as autoridades venezuelanas acusam Portugal de minimizar a situação e pede uma investigação rigorosa.

“A República Bolivariana da Venezuela expressa a sua condenação pelas graves irregularidades cometidas pela companhia aérea TAP, de Portugal, no voo TP173 de 12 de fevereiro de 2020, uma vez que contrariam as disposições de segurança da Organização Internacional de Aviação Civil” (OIAC), lê-se no documento.

Segundo o comunicado, no voo em questão, foi facilitada a entrada de Juan Guaidó na aeronave, com uma “identidade falsa”, violando as directrizes da OIAC sobre a identificação de passageiros.

“Da mesma forma, as autoridades venezuelanas conseguiram identificar que outro passageiro, um familiar e companheiro (de Juan Guaidó), transportou materiais proibidos e substâncias explosivas, incorrendo em uma violação ainda mais grave dos regulamentos de segurança aeronáutica”, acrescenta.

Por isso, “a Venezuela requer que as autoridades portuguesas proporcionem as explicações correspondentes e a abertura de uma investigação rigorosa em relação a estas pessoas, uma vez que ambas as situações só puderam desenvolver-se com o consentimento das autoridades policiais” de Portugal.

“Em função do exposto, a Venezuela objecta e considera ligeiras e sem fundamento as declarações do Ministro de Negócios Estrangeiros da República Portuguesa, Augusto Santos Silva, ao pretender minimizar tão grave situação e desconhecer os riscos para a segurança dos passageiros e para a paz do povo venezuelano”, conclui.

O presidente do parlamento da Venezuela, o opositor Juan Guaidó, chegou na terça-feira ao Aeroporto Internacional Simón Bolívar de Maiquetía (25 quilómetros a norte de Caracas), o principal do país, às 17:00 locais (22:00 no Luxemburgo), a bordo de um voo da transportadora TAP.

Guaidó, que chegou a Caracas após um périplo iniciado em 19 de Janeiro na Colômbia, esteve ainda no Reino Unido, Suíça, Espanha, Canadá, França e Estados Unidos da América, tendo-se reunido com diferentes governantes e, inclusivamente, com o Presidente norte-americano, Donald Trump.

Horas depois de ter chegado a Caracas, Juan Guaidó denunciou que o seu tio Juan José Márquez, que tinha viajado no mesmo voo consigo, tinha desaparecido, após ter sido interceptado pelas autoridades aduaneiras.

O Governo venezuelano confirmou a detenção do tio de Guaidó por ter tentado entrar no país com “material muito perigoso” e acusou a TAP de violar as normas de segurança internacionais e de ocultar a identidade do líder opositor, na lista de passageiros.

Num programa transmitido pela televisão estatal venezuelana na terça-feira à noite, o presidente da Assembleia Constituinte, composta unicamente por apoiantes do regime, disse que Juan José Marquez, o tio de Guaidó, “violou as normas da aeronáutica civil e entrou com um colete antibala, proibido” no país.

“Tenho uma notícia: foi detido um senhor, que trazia material muito perigoso dentro do avião”, disse Diosdado Cabello, referindo-se à detenção de Juan José Marquez.

Diosdado Cabello, considerado o segundo homem mais forte do chavismo, depois do Presidente Nicolás Maduro, indicou que o tio de Juan Guaidó “trazia umas lanternas tácticas, que continham no interior, no compartimento das pilhas, substâncias químicas de natureza explosiva, presumivelmente explosivo sintético C4”.

O presidente da Assembleia Constituinte acusou ainda o embaixador português em Caracas, Carlos Sousa Amaro, de interferir nos assuntos internos da Venezuela, ao interceder por Juan José Marquez.

Portugal tem tido grande bom senso e racionalidade – Presidente da República

O Presidente da República defendeu hoje que Portugal tem tido uma posição “de grande bom senso e de grande racionalidade” em relação à Venezuela, escusando-se a comentar as acusações à TAP e ao embaixador português em Caracas.

Marcelo Rebelo de Sousa, que se encontra em visita de Estado à Índia, foi questionado pela comunicação social sobre as acusações das autoridades venezuelanas no Museu Nacional, em Nova Deli, onde inaugurou uma instalação da artista portuguesa Joana Vasconcelos.

“Eu não queria estar a comentar, mas é conhecida a posição portuguesa. Portugal tem uma posição que tem sido uma posição de grande serenidade e de grande bom senso e de grande racionalidade, defendendo o diálogo, defendendo a prioridade à realização de eleições presidenciais que legitimem um processo pacífico de evolução futura”, respondeu.

Segundo o chefe de Estado, “portanto, Portugal é o primeiro a querer, até pela comunidade portuguesa que lá existe, que o processo na Venezuela seja um processo sem ruído e sem questões que coloquem, do ponto de vista humano e do ponto de vista social e do ponto de vista da vida do dia a dia, problemas adicionais à comunidade portuguesa”.

O Presidente da República tinha ao seu lado o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, que hoje considerou que a acusação dirigida pelas autoridades venezuelanas ao Governo português “não faz nenhum sentido” e afirmou que Portugal espera “que este pequeno incidente seja rapidamente ultrapassado”.

“Por via diplomática, vamos ver se a Venezuela nos dirige algum pedido de esclarecimento. Naturalmente, nenhuma nota verbal que é apresentada às autoridades portuguesas fica sem resposta”, acrescentou Augusto Santos Silva, em declarações aos jornalistas, num hotel de Nova Deli.

 

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões ou sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade

Todas as notícias e conteúdos no LUX24 são e continuarão a ser disponibilizadas gratuitamente, mas nunca como agora precisamos da sua ajuda para continuar a prestar o nosso serviço público.

Somos uma asbl – associação sem fins lucrativos – e não temos qualquer apoio estatal ou institucional, apesar do serviço público que diariamente fazemos em prol da comunidade portuguesa e lusófona residente no Luxemburgo, e já sentimos o efeito da redução da publicidade, que nos garante a manutenção do nosso jornal online.

A imprensa livre não existe nem sobrevive, sem o suporte activo dos seus leitores – sobretudo em épocas como esta, quando as receitas de publicidade se reduziram abruptamente, e nós continuamos a trabalhar a 100%.

Só lhe pedimos que esteja connosco nesta hora e nos possa ajudar com o seu donativo, seja ele de que valor for. Prometemos que continuaremos a ser a sua companhia de todas as horas.

Pode fazer o seu donativo por transferência bancária para a conta do LUX24:
IBAN: LU790250045896982000
Código BIC: BMECLULL

LUX24 asbl
#VaiFicarTudoBem

Publicidade