[arquivo] Russian President Vladimir Putin (R) and German Chancellor Olaf Scholz attend a press conference following their meeting over Ukraine security at the Kremlin, in Moscow, on February 15, 2022. (Photo by Mikhail Klimentyev / Sputnik / AFP)

O chanceler alemão, Olaf Scholz, declarou hoje que o Presidente russo, Vladimir Putin, “é responsável” por crimes de guerra na Ucrânia que fizeram milhares de mortos entre a população civil.

“A invasão russa da Ucrânia é uma violação flagrante do direito internacional”, e a morte de milhares de civis constitui “crimes de guerra pelos quais o Presidente russo é responsável”, sustentou Scholz numa conferência de imprensa em Berlim, após uma videoconferência com o Presidente norte-americano, Joe Biden, e vários dirigentes europeus, entre os quais os chefes de Estado francês, Emmanuel Macron, e polaco, Andrzej Duda, o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

“Sentimos uma dor imensa pelas vítimas e também grande raiva contra o Presidente russo e esta guerra sem sentido”, acrescentou.

Na reunião, os dirigentes reafirmaram a sua “total solidariedade e apoio” à Ucrânia.

O chefe do executivo alemão sublinhou que também é dever deles “impedir o alastramento da guerra a outros países” e reiterou que a NATO não “intervirá directamente na guerra”.

O social-democrata Olaf Scholz é muito criticado na Alemanha, incluindo dentro do seu Governo de coligação com os Verdes e os Liberais, pelas suas alegadas reticências em fornecer à Ucrânia o armamento pesado que esta lhe pediu. Até agora, Berlim só forneceu armas defensivas a Kiev.

Questionado sobre artilharia pesada, como tanques e blindados, o chanceler manteve-se evasivo, reiterando que a Alemanha não tem intenção de “agir sozinha” e insistindo que tais decisões são tomadas em estreita concertação com os aliados.

O exército alemão, a Bundeswehr, já não tem muitas armas em ‘stock’ que possa enviar para a Ucrânia, justificou, indicando que o Governo e a indústria da Defesa estão, neste momento, a trabalhar na elaboração de uma lista de material militar que poderão fornecer a Kiev, sem especificar de que tipo de armas se trata.

O executivo alemão anunciou na sexta-feira passada que tenciona desbloquear mais de mil milhões de euros de ajuda militar à Ucrânia, também sem dizer exactamente para que servirá o dinheiro e o período de tempo durante o qual esse acréscimo orçamental será disponibilizado.

A Alemanha procura assim responder às crescentes críticas das autoridades ucranianas, mas também de alguns dos seus parceiros da União Europeia (UE), como a Polónia e os Estados bálticos, sobre a sua aparente falta de apoio a Kiev em matéria de armamento.

A ofensiva militar lançada na madrugada de 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 12 milhões de pessoas, mais de cinco milhões das quais para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU – a pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Segundo as Nações Unidas, cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa – justificada por Putin com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os sectores, da banca ao desporto.

A guerra na Ucrânia, que entrou hoje no 55.º dia, já matou mais de 2.000 civis, segundo dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito mais elevado.

ANC // PDF

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade
Publicidade