Civilians shelter in an underpass in the centre of the Ukrainian capital of Kyiv during a Russian missile strike on November 15, 2022. - The Ukrainian presidency said November 15, 2022 that the situation across the country was "critical" after a fresh wave of Russian missiles battered energy facilities, forcing emergency shutdowns and plunging parts of the capital into darkness. (Photo by Sergei SUPINSKY / AFP)

Mais de sete milhões de habitações da Ucrânia estão sem eletricidade após novos bombardeamentos russos que visaram a rede elétrica do país, indicou hoje a Presidência da República ucraniana.

“Mais de sete milhões de lares estão agora sem electricidade”, depois de 15 centrais de produção de energia eléctrica em toda a Ucrânia terem sofrido danos, declarou nas redes sociais Kyrylo Tymoshenko, o chefe-adjunto do gabinete do Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

“Os nossos engenheiros electrotécnicos estão agora a fazer tudo o que podem para repor o fornecimento de electricidade o mais rapidamente possível”, acrescentou.

De acordo com a Força Aérea ucraniana, a Rússia disparou hoje sobre as infra-estruturas de produção de energia eléctrica de várias regiões ucranianas “cerca de” 100 mísseis, causando cortes de electricidade, além de ter atingido igualmente zonas residenciais e feito pelo menos um morto na capital ucraniana, Kiev.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas – mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,8 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa – justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra, que hoje entrou no seu 265.º dia, 6.557 civis mortos e 10.074 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

ANC // SCA

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco via email para geral@lux24.lu.
Siga o LUX24 nas redes sociais. Use a #LUX24 nas suas publicações.
Faça download gratuito da nossa ‘app’ na Google Play ou na App Store.
Publicidade
Publicidade