Fortes chuvas provocaram cheias na cidade da Praia, ilha de Santiago, Cabo Verde, 12 de setembro de 2020. FERNANDO DE PINA/LUSA

O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros português afirmou hoje que esteve em contacto com o seu homólogo cabo-verdiano no sentido de haver um “trabalho conjunto” das autoridades de cooperação após as cheias que atingiram o país africano.

“Tive mesmo agora [uma chamada telefónica] com o meu colega cabo-verdiano, o ministro dos Negócios Estrangeiros e das Comunidades de Cabo Verde [Luís Filipe Tavares], que justamente me queria informar do facto de Cabo Verde ter sido assolado por chuvas torrenciais e por os seus efeitos, designadamente na Cidade da Praia, serem muito graves”, disse à Lusa Augusto Santos Silva.

O chefe da diplomacia portuguesa falava à margem da tomada de posse de Cristina Moniz para o cargo de vice-presidente do conselho directivo do Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, uma cerimónia realizada hoje, na sede do instituto, em Lisboa.

O ministro acrescentou que há contactos entre as autoridades portuguesas e cabo-verdianas para que seja realizado um “trabalho conjunto”.

“Estabelecemos condições para que haja trabalho conjunto das nossas autoridades de cooperação e protecção civil com as de Cabo Verde, para ver que tipo de apoio podemos dar nesta hora difícil”, concluiu Augusto Santos Silva.

As fortes chuvas que caíram na Praia, sobretudo na madrugada de sábado, provocaram enxurradas, cheias, desabamentos e destruição de estradas e outras vias de acesso um pouco por toda a capital. Numa das enxurradas, um bebé de seis meses foi levado pelas águas e morreu.

Ainda na capital, dezenas de famílias foram realojadas nas últimas horas pela protecção civil.

O vice-primeiro-ministro de Cabo Verde, Olavo Correia, admitiu hoje a necessidade de recorrer ao apoio de parceiros internacionais para recuperar a destruição provocada na Praia por estas cheias e enxurradas.

A capital cabo-verdiana necessita de investimentos de 2,3 milhões de euros para “repor a normalidade”, após as consequências das fortes chuvas.

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões ou sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade

Todas as notícias e conteúdos no LUX24 são e continuarão a ser disponibilizadas gratuitamente, mas nunca como agora precisamos da sua ajuda para continuar a prestar o nosso serviço público.

Somos uma asbl – associação sem fins lucrativos – e não temos qualquer apoio estatal ou institucional, apesar do serviço público que diariamente fazemos em prol da comunidade portuguesa e lusófona residente no Luxemburgo, e já sentimos o efeito da redução da publicidade, que nos garante a manutenção do nosso jornal online.

A imprensa livre não existe nem sobrevive, sem o suporte activo dos seus leitores – sobretudo em épocas como esta, quando as receitas de publicidade se reduziram abruptamente, e nós continuamos a trabalhar a 100%.

Só lhe pedimos que esteja connosco nesta hora e nos possa ajudar com o seu donativo, seja ele de que valor for. Prometemos que continuaremos a ser a sua companhia de todas as horas.

Pode fazer o seu donativo por transferência bancária para a conta do LUX24:
IBAN: LU790250045896982000
Código BIC: BMECLULL

LUX24 asbl
#VaiFicarTudoBem

Publicidade