O Papa Francisco expressou hoje preocupação com a situação no Chile e desejou “que, pondo fim às manifestações violentas, se encontre uma solução para a crise através do diálogo”.

“Estou preocupado com o que se está a passar no Chile”, confessou, em italiano, o pontífice argentino, durante a audiência geral, celebrada todas as quartas-feiras, na Praça de São Pedro.

O Papa expressou o seu desejo de que se ponha um “fim às manifestações violentas” e que, “através do diálogo, se trabalhe para encontrar uma solução para a crise e se enfrente as dificuldades geradas, pelo bem de toda a população”.

O Presidente do Chile, Sebastián Piñera, pediu desculpas por não ter sido capaz de ver a situação a que chegou o país e anunciou reformas sociais após cinco dias de protestos que levaram à morte de pelo menos 15 pessoas.

Os protestos, que se espalharam por diversas cidades do país, com barricadas, incêndios e pilhagens, deixaram feridos 239 civis e cerca de 50 polícias e militares, tendo ainda levado a 2.643 detenções.

Piñera afirmou querer acabar com o estado de emergência, o recolher obrigatório e retirar os militares das ruas, devolvendo-os aos quartéis, mas só o fará quando “a ordem pública, a segurança e os bens, tanto públicos como privados, estiverem devidamente resguardados”.

Foram convocadas para hoje mais marchas e concentrações populares em todo o país, nas quais se esperam ver as reações da população às condições propostas pelo Presidente.

As manifestações decorrem desde sexta-feira em protesto contra um aumento (entre 800 e 830 pesos, cerca de 1,04 euros) do preço dos bilhetes de metro em Santiago, que possui a rede mais longa (140 quilómetros) e mais moderna da América do Sul, e que transporta diariamente cerca de três milhões de passageiros.

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões ou sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade

Todas as notícias e conteúdos no LUX24 são e continuarão a ser disponibilizadas gratuitamente, mas nunca como agora precisamos da sua ajuda para continuar a prestar o nosso serviço público.

Somos uma asbl – associação sem fins lucrativos – e não temos qualquer apoio estatal ou institucional, apesar do serviço público que diariamente fazemos em prol da comunidade portuguesa e lusófona residente no Luxemburgo, e já sentimos o efeito da redução da publicidade, que nos garante a manutenção do nosso jornal online.

A imprensa livre não existe nem sobrevive, sem o suporte activo dos seus leitores – sobretudo em épocas como esta, quando as receitas de publicidade se reduziram abruptamente, e nós continuamos a trabalhar a 100%.

Só lhe pedimos que esteja connosco nesta hora e nos possa ajudar com o seu donativo, seja ele de que valor for. Prometemos que continuaremos a ser a sua companhia de todas as horas.

Pode fazer o seu donativo por transferência bancária para a conta do LUX24:
IBAN: LU790250045896982000
Código BIC: BMECLULL

LUX24 asbl
#VaiFicarTudoBem

Publicidade