France's President Emmanuel Macron greets people as he arrives to vote in the second stage of French parliamentary elections at a polling station in Le Touquet, northern France on June 19, 2022. (Photo by Michel Spingler / POOL / AFP)

A imprensa internacional destaca hoje (20) a derrota da coligação francesa que apoia Emmanuel Macron no Parlamento antecipando uma remodelação governamental e eventual crise política na sequência dos resultados da esquerda e da extrema-direita.

​​A edição europeia do portal de notícias norte-americano Politico refere que em virtude dos resultados das eleições legislativas de domingo, o presidente francês Emmanuel Macron deve enfrentar o “impasse” e o “tumulto” político.

A publicação frisa que a “aliança centrista” ficou longe da maioria absoluta na segunda volta das eleições para a Assembleia Nacional porque os eleitores apoiaram o partido de Marine Le Pen (Rassemblement National) de extrema-direita e a coligação de esquerda (NUPES) de Mélenchon.

Apesar da notícia sobre os resultados de domingo, o Politico destaca o facto de Clément Beaune, ministro de Assuntos Europeus de França, ter sido eleito deputado por uma margem muito “pequena”.

A mesma notícia indica que “após uma querela nas redes sociais e nas ruas, Beaune venceu Caroline Mécary, ativista e advogado do NUPES de Jean-Luc Mélenchon”.

“Desde a ‘era Sarkozy’, tem sido uma regra ‘não escrita’ que os ministros do governo francês que concorrem às eleições parlamentares devem renunciar caso percam nos seus respectivos círculos eleitorais.

Dos 15 ministros actuais que concorreram às legislativas, três correm risco de derrota: a ministra da Saúde Brigitte Bourguignon, a ministra da Ecologia Amélie de Montchalin e a ministra do Mar Justine Bénin”, escreve o Politico.

O portal do jornal britânico Guardian, após o noticiário sobre a situação na Ucrânia publica a notícia das eleições legislativas francesas referindo que as “dificuldades internas” estão a acumular-se para Emmanuel Macron.

“O segundo mandato presidencial (francês) começa ‘em força’ esta semana depois de os centristas terem  perdido a maioria absoluta no parlamento”, escreve o Guardian.

O jornal Independent, no Reino Unido, destaca o resultado “histórico” da extrema-direita francesa e o aumento da votação da coligação de esquerda.

Na Bélgica, o jornal Le Soir escreve que as eleições mostraram “a grande vaga do RN” (partido de Marine Le Pen) numa França “ingovernável”.

“É como um relâmpago! Pior do que os pesadelos mais sombrios para o Eliseu. Emmanuel Macron pensou que o perigo vinha da esquerda. Mas a tempestade também veio – e com que força! – da extrema-direita”, considera o artigo principal do Le Soir sobre as legislativas francesas.

Na secção internacional do italiano Corriere della Sera a notícia titula que Le Pen passou de oito deputados para 89 e o enviado especial do La Republlica a França escreve que as eleições legislativas de domingo provocam “medo” em Bruxelas.

“A União Europeia está agora mais fraca no jogo contra Moscovo”, escreve o jornal italiano La Republlica referindo-se aos efeitos das eleições francesas em relação à crise provocada pela nova invasão da Rússia na Ucrânia.

A imprensa espanhola dedica a maior parte dos destaques das edições on-line às eleições locais na Andaluzia, sul de Espanha, que deram a vitória ao Partido Popular e, por isso, a actualidade relacionada com as legislativas francesas está paginada na secção internacional.

Assim, o El Pais escreve que Macron sofreu um descalabro, o ABC titula que os resultados em França obrigam Macron a uma “profunda remodelação” governamental e o El Mundo, na secção internacional, considera que o resultado das eleições francesas “são o princípio do fim do ‘macronismo'”, destacando a derrota da coligação de Macron.

No portal do jornal Liberte da Argélia (antigo território ultramarino francês) um artigo de opinião refere que a extrema-direita com “poder” tem “impacto” para os argelinos, sobretudo, no que diz respeito à política de vistos, cooperação, problemas nas “reparações” históricas ou “apaziguamento”.

Nos Estados Unidos, a edição digital do Wall Street Journal, escreve que os resultados marcam uma repreensão “impressionante” ao presidente (Macron) e desferem um golpe na agenda económica do Eliseu”.

Para o Wall Street Journal os resultados “destacam a forma como a guerra na Ucrânia e o impacto nos preços dos combustíveis e alimentos em França estão a aumentando a pressão sobre Macron”.

O jornal canadiano Montreal Gazette escreve “‘Júpiter’ nunca mais: Macron tem de aprender a arte dos compromissos de linha dura”.

O presidente francês, Emmanuel Macron, vai enfrentar o segundo mandato sem a maioria absoluta parlamentar de que dispunha anteriormente e que perdeu na segunda volta das legislativas de domingo.

A união de partidos de esquerda é a primeira força da oposição e a extrema-direita liderada por Marine Le Pen conseguir um resultado histórico.

As forças coligadas que apoiam a política do Palácio do Eliseu perderam mais de uma centena dos 350 deputados que tinham e ficam longe dos 289 lugares que permitiriam a força política necessária na Assembleia Nacional.

A Nova União Popular Ecológica e Social (NUPES), liderada por Jean-Luc Mélenchon e que é composta pelo partido França Insubmissa, socialistas, comunistas e ecologistas triplicou o número de deputados em relação aos resultados das últimas eleições gerais.

O Parlamento francês está mais dividido do que nunca, num sistema que prima por maiorias e que obriga o chefe de Estado a negociar apoios externos.

Apesar de Mélenchon e Le Pen estarem no centro das atenções do Eliseu o resultado das legislativas afeta também os republicanos (conservadores), liderados por Christian Jacob que deve abandonar o cargo de líder do partido durante o verão.

PSP // SB

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade