Entrou este sábado em vigor o recolher obrigatório em mais 38 departamentos de França, abrangendo 46 milhões de pessoas, dada a grave evolução da pandemia.

“A situação é grave”, disse o primeiro-ministro francês, Jean Castex, ao anunciar, em conferência de imprensa, a extensão do recolher obrigatório, que vigora entre as 21:00 e as 06:00.

Jean Castex evocou uma progressão “rápida e muito preocupante da pandemia” no país, que se traduziu num aumento numa semana de 40% da taxa de incidência (casos confirmados por 100.000 habitantes) para os actuais 251.

“A circulação do vírus atinge um nível extremamente elevado”, frisou o primeiro-ministro, advertindo que “o número de mortos” vai “continuar a aumentar”.

“Os nossos serviços hospitalares vão estar sujeitos a um duro teste”, disse, frisando que “os novos casos de hoje são os hospitalizados de amanhã e, infelizmente, talvez os mortos de depois de amanhã”.

França conta com 101 departamentos, 54 dos quais passam a estar sujeitos à medida, assim como o território ultramarino francês da Polinésia, “por seis semanas”.

Em cidades como Paris, o recolher obrigatório está já em vigor desde 17 de outubro.

A medida entrou em vigor às 00:00 deste sábado e, como durante o confinamento, prevê excepções para quem tenha de sair de casa para trabalhar ou procurar assistência médica.

O desrespeito da medida implica o pagamento de multa de 135 euros, que pode ser agravada até aos 1.500 euros.

França regista nas últimas semanas um aumento significativo do número de novos casos e de hospitalização de infectados com o vírus SARS-CoV-2.

Desde o início da pandemia, e segundo números oficiais de quarta-feira, o país contabiliza 1.041.075 casos e mais de 34.000 mortes.

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões ou sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade

Todas as notícias e conteúdos no LUX24 são e continuarão a ser disponibilizadas gratuitamente, mas nunca como agora precisamos da sua ajuda para continuar a prestar o nosso serviço público.

Somos uma asbl – associação sem fins lucrativos – e não temos qualquer apoio estatal ou institucional, apesar do serviço público que diariamente fazemos em prol da comunidade portuguesa e lusófona residente no Luxemburgo, e já sentimos o efeito da redução da publicidade, que nos garante a manutenção do nosso jornal online.

A imprensa livre não existe nem sobrevive, sem o suporte activo dos seus leitores – sobretudo em épocas como esta, quando as receitas de publicidade se reduziram abruptamente, e nós continuamos a trabalhar a 100%.

Só lhe pedimos que esteja connosco nesta hora e nos possa ajudar com o seu donativo, seja ele de que valor for. Prometemos que continuaremos a ser a sua companhia de todas as horas.

Pode fazer o seu donativo por transferência bancária para a conta do LUX24:
IBAN: LU790250045896982000
Código BIC: BMECLULL

LUX24 asbl
#VaiFicarTudoBem

Publicidade