O Presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte – FOTO DR

O Presidente das Filipinas ordenou às forças de segurança que se preparem para a possível retirada de cerca de 7.600 emigrantes filipinos no Iraque e no Irão.

Neste momento, cerca de seis mil filipinos vivem no Iraque e perto de 1.600 estão no Irão, indicou, em comunicado, o porta-voz do Ministério da Defesa, Arsenio Andolong.

Rodrigo Duterte convocou, no domingo, uma reunião de emergência com o ministro da Defesa, Delfin Lorenzana, o chefe das Forças Armadas, Felimon Santos, e o chefe da polícia, Archie Gamboa, para debater o plano de contingência.

“O Presidente ordenou às Forças Armadas que preparem os activos aéreos e navais para trazer para casa os nossos compatriotas, no caso de se iniciarem hostilidades abertas no Médio Oriente que possam pôr em perigo as suas vidas”, explicou Andolog.

No sábado, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ameaçou atacar 52 alvos no Irão, no caso de eventuais represálias pelo assassínio do general iraniano Qassem Soleimani, num ataque aéreo na sexta-feira, em Bagdade.

O Irão prometeu vingança e anunciou no domingo que deixará de respeitar os limites impostos pelo tratado nuclear de 2015.

O secretário da Justiça filipino, Menardo Guevarra, adiantou que, juntamento com o Gabinete de Imigração, está a estudar a possibilidade de proibir o envio de trabalhadores filipinos para o Irão, o Iraque e a Líbia.

Ao todo, 1,2 milhões de filipinos trabalham no Médio Oriente, indicou o Congresso de Sindicatos das Filipinas.

Perto de dez milhões de filipinos são trabalhadores emigrantes e o envio das remessas representa perto de 10% da riqueza do arquipélago.

Os trabalhadores filipinos no Médio enviaram remessas no valor de 6,7 milhões de dólares (cerca de seis milhões de euros) em 2018 e cinco milhões (cerca de 4,5 milhões de euros) entre Janeiro e Outubro passado, de acordo com dados oficiais.

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões ou sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade

Todas as notícias e conteúdos no LUX24 são e continuarão a ser disponibilizadas gratuitamente, mas nunca como agora precisamos da sua ajuda para continuar a prestar o nosso serviço público.

Somos uma asbl – associação sem fins lucrativos – e não temos qualquer apoio estatal ou institucional, apesar do serviço público que diariamente fazemos em prol da comunidade portuguesa e lusófona residente no Luxemburgo, e já sentimos o efeito da redução da publicidade, que nos garante a manutenção do nosso jornal online.

A imprensa livre não existe nem sobrevive, sem o suporte activo dos seus leitores – sobretudo em épocas como esta, quando as receitas de publicidade se reduziram abruptamente, e nós continuamos a trabalhar a 100%.

Só lhe pedimos que esteja connosco nesta hora e nos possa ajudar com o seu donativo, seja ele de que valor for. Prometemos que continuaremos a ser a sua companhia de todas as horas.

Pode fazer o seu donativo por transferência bancária para a conta do LUX24:
IBAN: LU790250045896982000
Código BIC: BMECLULL

LUX24 asbl
#VaiFicarTudoBem

Publicidade