O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, condenou hoje o tiroteio executado por um adolescente de 15 anos, que causou cinco mortos na capital da Carolina do Norte, e pediu novamente ao Congresso que restrinja a venda de armas de assalto.

“Basta. Choramos e oramos por muitas famílias que tiveram que suportar o terrível fardo dos tiroteios em massa. Muitas famílias tiveram cônjuges, pais e filhos levados para sempre”, realçou Joe Biden, em comunicado.

O democrata sublinhou que o seu governo tem pressionado por “medidas históricas” para conter os tiroteios, incluindo a primeira lei de controlo de armas em quase 30 anos.

No entanto, Biden acrescentou: “Temos de fazer mais”.

“Temos que aprovar a proibição de armas de assalto. O povo norte-americano apoia essa decisão de bom senso de tirar as armas de guerra das nossas ruas”, destacou.

O chefe de Estado norte-americano lembrou que a maioria democrata na Câmara dos Representantes já aprovou o veto às armas de assalto e pediu ao Senado que faça o mesmo, numa câmara onde os republicanos bloquearam a medida, garantindo que assinará na mesma a medida.

O atirador que matou cinco pessoas num percurso pedestre na capital da Carolina do Norte é um adolescente de 15 anos que foi hospitalizado em estado crítico, declarou hoje a polícia local.

A chefe de polícia de Raleigh, Estella Patterson, declarou aos jornalistas que, na quinta-feira, o suspeito abriu fogo numa área a nordeste do centro da cidade de Raleigh. O jovem esteve a monte durante horas antes de ser encurralado numa casa e detido, segundo a polícia, que não deu pormenores sobre como acabou ferido em estado crítico.

O tiroteio ocorreu na quinta-feira por volta das 17:00, hora local (23:00 no Luxemburgo), ao longo da Neuse River Greenway, pista pavimentada numa zona arborizada de uma área, disse a autarca de Raleigh, Mary-Ann Baldwin.

Os Estados Unidos registaram tiroteios graves este ano, como o massacre com motivação racista num supermercado em Buffalo, Nova Iorque, o massacre numa escola em Uvalde, Texas, e o ataque ao desfile do Dia da Independência em Highland Park, Illinois.

“Faz apenas cinco meses desde Buffalo e Uvalde, e há muitos tiroteios em massa em toda a América, incluindo alguns que nem chegam às notícias”, lamentou Joe Biden.

Até agora este ano, os EUA registaram mais de 500 “tiroteios em massa” em todo o país, de acordo com dados do Gun Violence Archive, que considera ataques com pelo menos quatro vítimas como “em massa” e que não inclui o autor dos disparos caso este tenha morrido ou sofrido ferimentos.

DMC (CSR/EJ) // RBF

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco via email para geral@lux24.lu.
Siga o LUX24 nas redes sociais. Use a #LUX24 nas suas publicações.
Faça download gratuito da nossa ‘app’ na Google Play ou na App Store.
Publicidade
Publicidade