A comissária europeia designada por Portugal, Elisa Ferreira – FOTO LUSA

A comissária europeia designada por Portugal, Elisa Ferreira, garantiu domingo, no dia em que assumiu funções, que tudo fará para que a política de coesão e das reformas, a sua pasta, reforce a confiança dos cidadãos no projeto europeu.

No dia de entrada em funções da nova Comissão Europeia, a presidente Ursula von der Leyen e todos os 26 comissários gravaram curtas mensagens vídeo de apresentação, nas quais dão conta da sua missão e dos seus compromissos, com Elisa Ferreira, responsável pela ‘Coesão e Reformas’ no novo executivo comunitário, a garantir que vai trabalhar no sentido de que “nenhum cidadão europeu fique deixado para trás”.

“Hoje, a Europa enfrenta desafios enormes. Como comissária, eu farei tudo o que estiver ao meu alcance para garantir que a Europa consegue lidar com estes desafios fazendo o melhor uso possível da inovação e da tecnologia, respeitando o planeta e fazendo com que nenhum europeu fique deixado para trás”, declara.

Elisa Ferreira enfatiza que “mais do que uma política, a coesão está no centro, está no coração do projeto europeu”, sendo essa coesão “essencial” para a promoção dos valores europeus “também internacionalmente”.

“É por isso que, ao assumir estas funções, o faço com grande entusiasmo e um grande sentido de responsabilidade. Eu quero garantir que a política de coesão e das reformas vai reforçar a confiança e a entrega dos cidadãos europeus neste projeto comum, numa Europa de democracia, de solidariedade, de diversidade”, diz.

Elisa Ferreira conclui apontando que o seu compromisso é “construir um modelo de crescimento europeu moderno, competitivo, mas que não deixe nenhum cidadão para trás, seja homem ou mulher, seja jovem ou menos jovem”.

Numa Comissão liderada pela primeira vez por uma mulher, a alemã Ursula von der Leyen, Elisa Ferreira é também a primeira mulher portuguesa a assumir o cargo de comissária europeia, para um mandato de cinco anos.

Quatro dias depois de ter recebido finalmente o voto favorável do Parlamento Europeu, o novo executivo comunitário inicia hoje o seu mandato precisamente no mesmo dia em que se celebra o décimo aniversário da entrada em vigor do Tratado de Lisboa, assinado em Lisboa em dezembro de 2007, durante a anterior presidência portuguesa da UE, decorrendo em Bruxelas uma curta cerimónia para assinalar a efeméride.

No curto evento, realizado na Casa da História Europeia, na capital da UE, participam a presidente da Comissão, Von der Leyen, e ainda o novo presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, que também inicia hoje o seu mandato, o presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli, e a nova presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde.

A ‘Comissão Von der Leyen’, que sucede à ‘Comissão Juncker’, deveria ter iniciado funções em 01 de outubro, mas o ‘chumbo’ de três comissários designados pelo Parlamento Europeu provocou um atraso de um mês no processo, que ficou concluído finalmente na passada quarta-feira, com a assembleia a aprovar, em Estrasburgo, o conjunto do colégio, com 461 votos a favor, 157 contra e 89 abstenções, num total de 707 votos expressos.

Publicidade