O Brasil contabilizou 648.160 mortes e 28.670.242 infecções provocadas pela Covid-19 desde o início da pandemia, segundo dados divulgados nesta sexta-feira pelo Ministério da Saúde.

Nas últimas 24 horas, o país contabilizou 770 novos óbitos e 91.595 novos casos da doença.

Os números confirmam o país como o segundo com mais mortes por coronavírus no mundo, atrás dos Estados Unidos, e o terceiro com mais infecções, depois dos Estados Unidos e da Índia.

Este sábado, o Brasil completará dois anos de pandemia do coronavírus já que o primeiro caso da doença dentro de suas fronteiras foi oficialmente registado em 26 de fevereiro de 2020, quando brasileiro de 61 anos, que esteve na Itália, apresentou sintomas e foi internado em São Paulo.

Nesta semana a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), maior centro de investigação em saúde da América Latina, divulgou um boletim epidemiológico apresentando dados do período de 13 a 19 de fevereiro sobre casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), que confirmam sinais claros de queda no número de novas infeções por covid-19 nos estados brasileiros.

“De acordo com o boletim, a redução atual deve-se por múltiplos fatores, dentre os quais o facto de terem ocorrido muitos casos de covid-19 pela variante ómicron, pela vacinação, além de outros fatores”, destacou o documento.

Apesar do balanço geral positivo, a Fiocruz frisou que é preciso permanecer alerta e monitorar a evolução da doença nas próximas semanas no Brasil.

“Mesmo diante de um cenário de redução, os indicadores ainda são altos, de modo que muitas pessoas em situação de vulnerabilidade encontram-se em risco, diante de um evento de infecção, para uma possível evolução para caso grave”, explicam os investigadores da Fiocruz.

A Covid-19 provocou pelo menos 5,9 milhões de mortos em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detectado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

A variante Ómicron, que se dissemina e sofre mutações rapidamente, tornou-se dominante no mundo desde que foi detectada pela primeira vez, em novembro, na África do Sul.

CYR//RBF

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco via email para geral@lux24.lu.
Siga o LUX24 nas redes sociais. Use a #LUX24 nas suas publicações.
Faça download gratuito da nossa ‘app’ na Google Play ou na App Store.
Publicidade
Publicidade