A Alemanha ultrapassou hoje os 15 mil mortos relacionados com o novo coronavírus que provoca a covid-19 e nas ultimas 24 horas registou mais 22.268 infecções, segundo dados do Instituto Robert Koch (RKI).

O país contabilizou 389 mortes, após o novo máximo na quarta-feira de 410 óbitos. No total, houve 15.160 mortos.

O número de novas infecções, 22.268, excede o de quarta-feira em mais de 3.600, embora não atinja o máximo absoluto de 23.648 da última sexta-feira.

O RKI estima que cerca de 676.100 pessoas recuperaram da doença e que existem actualmente cerca de 292.000 casos activos.

Em todo o país, a incidência acumulada nos últimos sete dias foi de 139,6 casos por 100 mil habitantes na quarta-feira.

O número de pacientes com covid-19 em unidades de terapia intensiva subiu para 3.781 na quarta-feira, dos quais 2.214 – 59% – recebem ventilação assistida, segundo dados da Associação Interdisciplinar Alemã de Terapia Intensiva e Medicina de Emergência (DIVI).

O factor de reprodução (R) que considera as infecções num intervalo de sete dias em relação aos sete anteriores, e que reflecte a evolução das infecções de 8 a 16 dias atrás, está determinado em 0,87.

A chanceler alemã, Angela Merkel, e os chefes de governo dos estados federais concordaram na quarta-feira em endurecer as actuais restrições em vigor a partir de 01 de dezembro e estendê-las até o início de janeiro.

Durante o Natal haverá uma certa flexibilização das medidas para permitir a celebração com a família ou amigos, aumentando para 10 o número máximo de reuniões (onde os menores de 14 anos não contam).

Em 02 de novembro, entrou em vigor um novo confinamento parcial no país – mais brando do que o decretado na primavera – para tentar conter a pandemia de covid-19.

Bares e restaurantes, teatros e cinemas, museus e “spas” permanecem fechados, enquanto as lojas e escolas permanecem abertas. O turismo é proibido e o teletrabalho é recomendado.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.415.258 mortos resultantes de mais de 60 milhões de casos de infecção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detectado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade