A Ucrânia formalizou um pedido de adesão acelerada à NATO, anunciou o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, pouco depois de a Rússia ter anexado quatro regiões ucranianas, em 30 de setembro de 2022 - FOTO © Presidência da Ucrânia / Site

A Ucrânia vai formalizar ainda hoje um pedido de adesão acelerada à NATO, anunciou o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, pouco depois de a Rússia ter anexado quatro regiões ucranianas.

“Estamos a dar um passo decisivo ao assinar a candidatura da Ucrânia à adesão acelerada à NATO”, disse Zelensky num comunicado divulgado no ‘site’ da Presidência.

O comunicado é acompanhado de um vídeo com a comunicação de Zelensky, que termina com a assinatura do documento.

A mensagem foi divulgada depois de uma reunião do Conselho de Segurança Nacional da Ucrânia, realizada no dia em que a Rússia formalizou a anexação das regiões ucranianas de Donetsk, Lugansk, Kherson e Zaporijia.

“Hoje, a Ucrânia apresenta a sua candidatura ‘de jure’ [à NATO]”, disse Zelensky, referindo que o pedido será feito através de um procedimento de emergência.

“Sabemos que é possível. Este ano, vimos a Finlândia e a Suécia começarem a aderir à Aliança sem um Plano de Ação para a Adesão”, justificou.

Zelensky disse que a Ucrânia já está “de facto” a caminho de se tornar membro da Aliança Atlântica e demonstrou a sua compatibilidade com os padrões militares da NATO, tanto no campo de batalha como na interação com os aliados.

“Há confiança mútua, ajudamo-nos mutuamente e protegemo-nos mutuamente. Esta é a aliança”, disse.

A adesão terá de ser aprovada pelos 30 membros da NATO (sigla inglesa da Organização do Tratado do Atlântico Norte).

A anexação das quatro regiões, que correspondem a cerca de 15 por cento do território terrestre da Ucrânia, ocorreu após a realização de referendos não reconhecidos pela comunidade internacional, entre 23 e 27 de setembro.

Os referendos, considerados uma farsa pela comunidade internacional, ocorreram em plena guerra na Ucrânia, que a Rússia invadiu em 24 de fevereiro deste ano.

A Rússia já tinha anexado a península ucraniana da Crimeia em 2014, após um processo idêntico.

PNG // SCA

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco via email para geral@lux24.lu.
Siga o LUX24 nas redes sociais. Use a #LUX24 nas suas publicações.
Faça download gratuito da nossa ‘app’ na Google Play ou na App Store.
Publicidade
Publicidade