A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou que receberá hoje à noite o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, em Bruxelas, para um debate decisivo sobre parceria pós-Brexit, numa altura de grande impasse nas negociações.

“Estou ansiosa por dar as boas-vindas ao primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, amanhã [quarta-feira] à noite”, escreveu Ursula von der Leyen na sua conta oficial da rede social Twitter.

Na ocasião, “continuaremos a nossa discussão sobre o Acordo de Parceria”, adiantou a responsável na curta mensagem.

A publicação foi feita um dia depois de, num contacto telefónico entre Von der Leyen e Johnson, ambas as partes se terem comprometido a um encontro presencial em Bruxelas para tentar desbloquear o impasse, dado não existirem para já condições para conclusão de um acordo pós-‘Brexit.

“Como acordado no sábado, fizemos um balanço das negociações em curso. Acordámos que as condições para a conclusão de um acordo não existem devido às diferenças significativas que subsistem sobre três questões críticas: igualdade de condições, governação e pescas”, frisaram os dois responsáveis numa declaração conjunta divulgada à imprensa na segunda-feira à noite.

Por essa razão, “pedimos aos nossos negociadores principais e às suas equipas que preparassem uma visão geral das diferenças remanescentes para serem discutidas numa reunião física a realizar em Bruxelas nos próximos dias”, anunciaram Ursula von der Leyen e Boris Johnson.

Este encontro presencial surge a menos de quatro semanas do final do ano e do chamado período de transição e numa altura em que não há ainda entendimento nas três matérias que têm sido as da discórdia ao longo dos últimos meses (igualdade de acesso aos mercados, governação e pescas).

Segundo algumas fontes diplomáticas, o negociador-chefe da UE para a futura relação com o Reino Unido, Michel Barnier, apontou quarta-feira como data limite para um entendimento, informação que não foi confirmada oficialmente.

Certo é que o tempo é cada vez mais escasso para as partes chegarem a um acordo, que possa ser ratificado de modo a entrar em vigor em 01 de janeiro de 2021.

UE e Reino Unido tentam num derradeiro ‘sprint’ chegar a acordo sobre as relações futuras, já que a partir de 01 de janeiro de 2021 – data que coincide com o arranque da presidência portuguesa do Conselho da UE, no primeiro semestre do ano –, o Reino Unido, que abandonou o bloco europeu em janeiro de 2020, deixa de gozar do chamado período de transição, mantendo o acesso dos britânicos ao mercado único.

Na ausência de um acordo (‘no deal’), as relações económicas e comerciais entre o Reino Unido e a UE passam a ser regidas pelas regras da Organização Mundial do Comércio (OMC) e com a aplicação de vários controlos alfandegários e regulatórios.

O governo britânico já veio, esta semana, descartar retomar as negociações comerciais pós-‘Brexit’ com a UE em 2021, caso não se chegue a um acordo até ao final do ano.

Já ontem, foram conseguidos avanços, mas noutra questão, relativamente à implementação do Acordo de Saída do Reino Unido da UE.

Em concreto, o comité misto UE e Reino Unido anunciou um acordo de princípio para a retirada das cláusulas controversas numa proposta de lei britânica que anulava partes do entendimento, assegurando Londres que irá implementar o Acordo de Saída como acordado com Bruxelas.

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade