O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro – FOTO: EVARISTO SA / AFP

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, disse ontem, no âmbito do Dia Mundial do Ambiente, que o Brasil é o país que mais preserva a natureza no mundo, mas é também “o mais atacado”.

“Somos o país que mais preserva o meio ambiente do mundo. Injustamente o mais atacado”, escreveu o chefe de Estado na rede social Twitter.

Horas depois, juntamente com o seu ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, o Presidente brasileiro anunciou uma série de medidas ambientais, como o programa “Floresta +”, em que serão destinados mais de 500 milhões de reais (89 milhões de euros) para actividades de conservação e recuperação da natureza, nomeadamente na região da Amazónia.

Segundo o executivo, o objectivo é trabalhar a regulamentação do mercado voluntário de serviços ambientais para que os projectos tenham segurança jurídica e garantia de desenvolvimento. O programa também quer “impulsionar os rendimentos de quem exerce actividades que beneficiem de forma relevante o ambiente”.

“Construção de cercas, vigilância, combate a incêndios, protecção do solo, monitorização, investigações sobre biodiversidade, plantio de espécies nativas, actividades agroflorestais e actividade integrada lavoura-pecuária-floresta são exemplos de actividades que serão reconhecidas e/ou remuneradas”, indicou o Ministério do Meio Ambiente em comunicado.

De acordo com a tutela, a iniciativa contará pela primeira vez com o sector privado, para “aumentar a escala e capilaridade da economia baseada em serviços ambientais”.

Na tarde de sexta-feira, a propósito do Dia Mundial do Ambiente, Jair Bolsonaro assinou ainda um decreto que estabelece que farmácias e drogarias disponibilizem pontos de recolha de medicamentos fora do prazo de validade, com o objectivo de dar um destino ambientalmente adequado para estes fármacos.

Segundo a executivo, num período até dois anos, todas as capitais e municípios com população superior a 500 mil habitantes terão pontos de recolha fixados.

O Governo brasileiro cedeu ainda verbas, no valor de 11,7 milhões de reais (cerca de dois milhões de euros), para o Programa “Lixão Zero”, de forma a financiar projectos voltados para a melhoria da gestão de resíduos sólidos, implementar a recolha selectiva de resíduos secos e orgânicos, e aumentar os índices de reciclagem.

Os anúncios do Governo de Bolsonaro em prol do Ambiente acontecem num momento em que o Brasil tentar reactivar o Fundo Amazónia, financiado pela Noruega e Alemanha e suspenso desde 2019.

Criado em 2008, o Fundo Amazónia, destinado à preservação da região, é mantido, maioritariamente, com doações da Noruega e Alemanha, e é gerido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Económico e Social (BNDES) do Brasil.

Contudo, esses países europeus anunciaram a suspensão de verbas após a desflorestação no Brasil ter aumentado no ano passado.

A captação de recursos para o Fundo Amazónia é condicionada pela redução das emissões de gases de efeito estufa oriundas da desflorestação, calculados por um comité técnico, ou seja, é preciso comprovar a redução da desflorestação na Amazónia para viabilizar a captação de verbas.

No ano passado, a desflorestação na Amazónia brasileira aumentou 85%, atingindo 9.165 quilómetros quadrados, o seu nível mais alto desde 2016.

Além da desflorestação, a Amazónia brasileira foi fortemente ameaçada no ano passado pelos incêndios que fustigaram a região entre junho e agosto, o que causou uma forte onda de indignação entre a comunidade internacional e organizações não-governamentais, que acusaram Jair Bolsonaro de ter uma retórica anti-ambiental.

A política ambiental do Governo de Bolsonaro foi exposta numa reunião ministerial, realizada em abril passado, onde Ricardo Sales sugeriu ao executivo que aproveitasse o foco da imprensa na pandemia de covid-19 para aprovar “reformas infralegais de desregulamentação” na área ambiental.

A Amazónia é a maior floresta tropical do mundo e possui a maior biodiversidade registada numa área do planeta.

Tem cerca de 5,5 milhões de quilómetros quadrados e inclui territórios do Brasil, Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa (pertencente à França).

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões ou sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade

Todas as notícias e conteúdos no LUX24 são e continuarão a ser disponibilizadas gratuitamente, mas nunca como agora precisamos da sua ajuda para continuar a prestar o nosso serviço público.

Somos uma asbl – associação sem fins lucrativos – e não temos qualquer apoio estatal ou institucional, apesar do serviço público que diariamente fazemos em prol da comunidade portuguesa e lusófona residente no Luxemburgo, e já sentimos o efeito da redução da publicidade, que nos garante a manutenção do nosso jornal online.

A imprensa livre não existe nem sobrevive, sem o suporte activo dos seus leitores – sobretudo em épocas como esta, quando as receitas de publicidade se reduziram abruptamente, e nós continuamos a trabalhar a 100%.

Só lhe pedimos que esteja connosco nesta hora e nos possa ajudar com o seu donativo, seja ele de que valor for. Prometemos que continuaremos a ser a sua companhia de todas as horas.

Pode fazer o seu donativo por transferência bancária para a conta do LUX24:
IBAN: LU790250045896982000
Código BIC: BMECLULL

LUX24 asbl
#VaiFicarTudoBem

Publicidade