TACV - Cabo Verde Airlines - FOTO DR

Os aeroportos cabo-verdianos movimentaram menos de 40.000 passageiros em janeiro, uma quebra de 85% face ao mesmo mês de 2020, antes da pandemia de covid-19 afectar o tráfego aéreo, segundo dados oficiais.

De acordo com um boletim de tráfego da empresa pública Aeroportos e Segurança Aérea (ASA), ao qual a Lusa teve hoje acesso, os aeroportos de Cabo Verde receberam no mês de janeiro deste ano um total de 831 aeronaves (-75% face a janeiro de 2020) em voos internacionais e domésticos.

Já o número de passageiros em embarques, desembarques e trânsito foi de 18.805 em voos domésticos e 19.546 em voos internacionais, totalizando desta forma 38.351 passageiros, contra os 260 mil em janeiro de 2020 (-85%).

A economia de Cabo Verde depende essencialmente do Turismo, com um peso direto de cerca de 25% do Produto Interno Bruto (PIB) e um recorde de 819 mil turistas em 2019. O mês de janeiro é considerado como de época alta na procura turística por Cabo Verde.

Contudo, desde finais de março que o arquipélago praticamente não tem actividade turística, face aos condicionalismos impostos por vários países, para travar a transmissão da pandemia de covid-19, e com o Governo a estimar a duplicação da taxa de desemprego até dezembro, para quase 20%.

O Aeroporto Internacional Amílcar Cabral, na ilha do Sal, a mais turística de Cabo Verde e que tem registado um movimento anual acima de um milhão de passageiros, contou em janeiro com apenas 5.548 passageiros em embarques e desembarques, o que representa uma quebra de 95% face ao primeiro mês de 2020.

O aeroporto da capital, na Praia, movimentou em janeiro um total de 22.463 passageiros, em voos internacionais e domésticos, uma quebra de 58% face ao mesmo mês de 2020.

Cabo Verde tem quatro aeroportos internacionais, nas ilhas de Santiago, do Sal, da Boa Vista e de São Vicente, e três aeródromos, nas ilhas de São Nicolau, Maio e Fogo, todos operados pela ASA.

Globalmente, os aeroportos cabo-verdianos movimentaram quase 776.000 passageiros em 2020, perdendo praticamente dois milhões de passageiros no espaço de um ano (-72%), devido à pandemia, segundo dados anteriores da ASA.

PVJ // VM

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade