Ana Lopes e o ex-companheiro, Marco Silva, que a terá assassinado - Foto Facebook

O português Marco Silva, condenado na passada terça-feira (12) pelo homicídio de Ana Lopes poderá tornar-se o 9° recluso a cumprir actualmente prisão perpétua no centro penitenciário de Schrassig, no Luxemburgo.

O dado curioso é avançado hoje na edição online do semanário Contacto, que cita fontes da administração prisional.

Actualmente, oito presos (7 homens e uma mulher) cumprem a pena máxima em vigor de acordo com o código penal luxemburguês: 6 deles condenados a prisão perpétua por homicídio voluntário, um por assalto violento e assassinato e um por homicídio em primeiro grau, revela hoje o semanário português.

Marco Silva poderá vir a ser o 9° recluso actualmente a cumprir pena de prisão perpétua, quando o caso do homicídio de Ana Lopes estiver definitivamente encerrado. É que o réu ainda pode recorrer da sentença a que foi condenado na terça-feira.

Tal como o LUX24 já tinha avançado, pela lei penal em vigor a pena de prisão perpétua no Luxemburgo permite que, ao fim de 15 anos de pena cumprida, os presos possam sair em liberdade condicional, mediante análise individual de casa caso. Em última instância, um condenado a prisão perpétua no Grão-Ducado poderá mesmo acabar os dias na prisão.

Ora, Marco Silva, de 32 anos, está detido desde meados de 2017, ou seja, há três anos e meio. Se a sentença em que foi condenado transitar em julgado, o imigrante português, natural de Viseu, poderá estar “cá fora” daqui a sensivelmente 12 anos, em 2033.

A jovem portuguesa Ana Lopes, natural de Seia, foi brutalmente assassinada em janeiro de 2017, deixando um filho, Ângelo, actualmente com 5 anos de idade, que está à guarda dos avós maternos. Marco Silva, o ex-companheiro, é o único suspeito do crime macabro mas sempre se declarou inocente.

ND // ND

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade