O primeiro-ministro do Luxemburgo, Xavier Bettel, em conferência de imprensa, 19.11.2021 - SCREENSHOT LUX24

O primeiro-ministro do Luxemburgo, Xavier Bettel, admitiu hoje em conferência de imprensa que o próximo projecto-de-lei da ‘Lei Covid‘ poderá ter reforçar as medidas de combate à pandemia da Covid-19 no país.

Contudo, o Governo preferiu não adiantar que medidas possam vir a ser tomadas. No entanto, o confinamento dos não vacinados não é excluído, como já acontece noutros países.

Com o disparar do número de casos, Xavier Bettel foi taxativo: “Estamos em plena quarta vaga da pandemia. Não podemos excluir medidas adicionais se o número de hospitalizações aumentar”, disse o líder do Executivo luxemburguês.

O primeiro-ministro relembrou que a situação actual não é idêntica há que existia há um ano, em que “tínhamos 700 testes positivos por dia e 250 pacientes em hospitais, incluindo 45 em cuidados intensivos”, mas o número de novos casos tem aumentado. E isso preocupa o Governo. O país está em plena quarta vaga.

De acordo com Xavier Bettel, os números de internamento em cuidados intensivos são “bastante estáveis”, mas se a situação o exigir “vamos reagir rapidamente”.

O primeiro-ministro do Luxemburgo, Xavier Bettel, em conferência de imprensa, 19.11.2021 – SCREENSHOT LUX24

“O aumento da vaga de contaminações das últimas semanas não nos surpreende porque o outono e inverno são propícios à propagação do vírus”, disse o primeiro-ministro que continua a insistir que a vacinação “é a solução” para “travar” a pandemia.

“Só podemos vencer a partida contra esse vírus se toda a população for vacinada. Cerca de 81,4% da população com mais de 12 anos está vacinada no Luxemburgo. E 65,6% da população está totalmente vacinada”, revelou Xavier Bettel.

O primeiro-ministro anunciou ainda a abertura de um novo centro de vacinação na cidade do Luxemburgo que começará a funcionar já a partir de amanhã na Grand-Rue, entre as  11:00 e as 18:00.

A partir de 06 de dezembro o Governo vai também promover uma nova semana de vacinação nacional com vários postos móveis pelo país, como centros comerciais e nas comunas.

A ministra da Saúde do Luxemburgo, Paulette Lenert, em conferência de imprensa, 19.11.2021 – SCREENSHOT LUX24

Já a partir de segunda-feira (22 de novembro de 2021), o Governo vai enviar cerca de 40.000 convites para que os cidadãos maiores de 65 anos de idade, que tenham tomado a segunda dose há mais de 6 meses, possam tomar a dose de reforço contra a Covid-19.

Depois, durante os próximos meses, todos cidadãos maiores de 18 anos serão contactados para receber este reforço da terceira dose da vacina Covid-19.

“Temos certeza hoje de que a vacina tem um enorme impacto [no comante à Covid-19]. As pessoas não vacinadas têm duas vezes mais chances de contrair o vírus”, disse Paulette Lenert, a ministra da Saúde, que voltou a incentivar à vacinação das pessoas com mais de 65 anos, das pessoas vulneráveis e da população em geral.

“Quanto maior for a taxa de vacinação, menor é a probabilidade de o vírus continuar a circular”, frisou Paulette Lenert, reafirmando, contudo, que a vacina não será obrigatória no Luxemburgo.

O Governo continua a apelar à consciência de todos, à manutenção dos gestos de barreira afim de evitar “medidas mais rígidas”.

“A situação só vai alterar se continuarmos unidos (no combate), termos menos contactos possíveis e usarmos a máscara voluntariamente. Isso permitirá não tomar medidas mais severas”, sublinha Paulette Lenert, que apela à vacinação.

O primeiro-ministro Xavier Bettel e a ministra da Saúde Paulette Lenert, em conferência de imprensa, 19.11.2021 – SCREENSHOT LUX24

Questionados sobre o prazo de validade do CovidCheck, Paulette Lenert afirmou que “não podemos garantir a eficácia da vacina para além de um ano”.

“Permanecemos em contacto com os países vizinhos para que as decisões não sejam muito diferentes de um país para outro, mas precisamos encontrar regras comuns com outros países europeus”, exortou, por outro lado, Xavier Bettel.

No Luxemburgo a questão dos certificados Covid-19 falsos foi tema quente no Parlamento durante esta semana. Especialmente por causa de determinados nomes que teriam passe sanitário válido no Luxemburgo, como as personagens animadas Bob Esponja, o Rato Mickey e, mais grave, o caso do ditador Adolf Hitler.

Na conferência de imprensa desta tarde, Xavier Bettel evitou por, pelo menos duas vezes, dizer o nome de Adolf Hitler quando questionado sobre os passes sanitários falsificados com esses nomes.

“Se os dois primeiros nomes [Bob Esponja, Rato Mickey] até podem ser para rir, um outro [referindo-se a Hitler sem citar o seu nome] é catastrófico. É uma pura provocação”, lamentou, irritado, Xavier Bettel.

Ainda de acordo com as autoridades sanitárias do país, terão sido apenas “meia dúzia” de passes sanitários falsificados em circulação no Luxemburgo.

De acordo com os mais recentes dados oficiais da tutela, o Luxemburgo contabiliza um total de 862 mortes e 85.660 casos de infecção por Covid-19, desde que foi conhecido o primeiro caso no país em 29 de fevereiro de 2020.

Até ao momento foram administradas 866.869 doses da vacina contra a Covid-19 no país, sendo que 442.310 pessoas receberam a primeira dose e 383.353 pessoas já receberam as duas doses.

No total, 423.279 pessoas têm esquema vacina completo no país. A este número juntam-se 41.206 pessoas que levaram uma dose adicional ao esquema vacinal completo.

ND // ND

A conferência de imprensa, com tradução simultânea em francês:

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade