[FOTO DE ARQUIVO] O antigo Presidente da República, Ramalho Eanes (D), conversa com o ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva (E), durante a homenagem a Salgueiro Maia no Quartel do Carmo, Lisboa, 01 de abril de 2022. (FOTO: MIGUEL A. LOPES / LUSA)

O ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva, destacou hoje, no Luxemburgo, os “passos significativos” dados por Portugal no apoio à comunidade ucraniana ao nível cultural, divulgando que meios de comunicação social portugueses já têm “emissões e edições em ucraniano”.

“No sector da cultura, foram dados passos significativos, nomeadamente com a criação da plataforma “Portugal for Ukraine” e isso vai repercutir-se em vários domínios culturais, com iniciativas quer de privados quer de públicos, e também no sector dos media, no qual há vários órgãos de comunicação social portugueses já com emissões e edições em ucraniano, aproximando a comunidade às notícias do seu país”, disse Pedro Adão e Silva.

Falando à entrada para o Conselho de Educação, Juventude, Cultura e Desporto, que junta no Luxemburgo ministros destas tutelas e hoje dedicado à área cultural, o governante português acrescentou tratar-se de uma reunião “muito relevante” para “analisar aqueles que foram os passos dados nos últimos tempos, desde o início da guerra da Ucrânia, no setor da cultura”.

“Este é um tema particularmente significativo para Portugal porque temos uma comunidade ucraniana imigrante muito grande, que quase duplicou no último mês”, destacou o novo ministro da Cultura, que se estreia hoje num Conselho de ministros da UE.

Pedro Adão e Silva frisou ainda que “o Governo português agiu de forma rápida, facilitando o acesso ao número de contribuinte, número de cartão de cidadão e também à saúde para todos os refugiados ucranianos”.

Neste Conselho de ministros da Cultura da UE, uma das questões em cima da mesa é como proteger o sector cultural ucraniano e os seus intervenientes, numa altura em que o conflito armado na Ucrânia provocado pela invasão russa coloca em perigo o património cultural, nomeadamente em centros urbanos.

Os ministros europeus trocarão pontos de vista sobre as medidas já adoptadas ao nível dos Estados-membros e da UE para apoiar o setor cultural ucraniano.

Na terça-feira, este Conselho será focado área da Educação e Juventude.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.325 civis, incluindo 120 crianças, e feriu 2.017, entre os quais 168 menores, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.

A guerra provocou a fuga de mais de 10 milhões de pessoas, incluindo mais de 4,1 milhões de refugiados em países vizinhos e cerca de 6,5 milhões de deslocados internos.

A ONU estima que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

ANE // SB

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade