Salgueiro Maia

Fernando José Salgueiro Maia foi um militar português e um dos capitães do Exército Português que liderou as forças revolucionárias durante a Revolução de 25 de Abril de 1974, que marcou o final da ditadura em Portugal. Morreu há 29 anos.

Na madrugada de 25 de Abril de 1974, durante a parada da Escola Prática de Cavalaria (EPC), em Santarém, proferiu o célebre discurso: “Meus senhores, como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos. Ora, nesta noite solene, vamos acabar com o estado a que chegámos! De maneira que, quem quiser vir comigo, vamos para Lisboa e acabamos com isto. Quem for voluntário, sai e forma. Quem não quiser sair, fica aqui!“.

Todos os 240 homens que ouviram estas palavras, ditas de forma serena mas firme, tão característica de Salgueiro Maia, formaram de imediato à sua frente. Depois seguiram para Lisboa e marcharam sobre a ditadura.

Nascido em 01 de julho de 1944 em Castelo de Vide, Salgueiro Maia viria a falecer em 03 de abril de 1992, aos 47 anos de idade.

Depois do 25 de Abril, recusou, ao longo dos anos, ser membro do Conselho da Revolução, adido militar numa embaixada à sua escolha, governador civil do Distrito de Santarém e pertencer à casa Militar da Presidência da República.

Foi condecorado várias vezes pelo Estado português.

Em 1989, foi-lhe diagnosticada uma doença cancerosa que, apesar das intervenções cirúrgicas, o vitimaria a 3 de abril de 1992.

Na rede social Facebook, a filha, Catarina Salgueiro Maia, que reside no Luxemburgo, não esqueceu o pai:

29 anos e decidi agradecer!
Agradecer teres permitido que tivesse uma família! Agradecer o privilégio de ser tua filha!
Agradecer o amor que sempre me deste!
Agradecer os valores que nos transmitiste!
Agradecer a tua luta!
Agradecer o teu altruísmo!
Agradecer a tua humildade!
Agradecer por teres tornado um país livre!
Agradecer por existires!
Tenho mil motivos para Agradecer e agradeço-te todos os dias!
29 anos e ainda hoje ouço a tua voz. 29 anos e ainda “conversamos” como se aqui estivesses.
A saudade não diminui e o amor também não!
29 anos sem ti

29 anos e decidi agradecer! Agradecer teres permitido que tivesse uma família! Agradecer o privilégio de ser tua…

Posted by Catarina Salgueiro Maia on Friday, April 2, 2021

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade