O primeiro-ministro Xavier Bettel em conferência de imprensa, 17.11.2020 - SCREENSHOT LUX24

É praticamente um ultimato. O primeiro-ministro do Luxemburgo, Xavier Bettel, disse hoje (17), ao início da tarde, que “se a situação não melhorar” até ao final desta semana por causa da pandemia do Covid-19, o país poderá vir a entrar em confinamento parcial a partir da próxima semana.

“Para já” não haverá novas medidas restritivas, mas se os indicadores da epidemia não melhorarem no Grão-Ducado, um projecto-de-lei aprovado esta manhã, em Conselho de Ministros, poderá ser aplicado já a partir próxima segunda-feira, impondo novas restrições.

O texto aprovado em Conselho de Ministros propõe que restaurantes, cafés, bibliotecas, teatros e cinemas, e outros espaço públicos, voltem a fechar portas se a situação pandémica não sofrer uma evolução favorável.

Também as piscinas e os espaços fitness poderão afectados pela medida, assim como qualquer desporto praticado em espaço fechado, de acordo com a informação avançada pela RTL.

O mesmo projecto-de-lei prevê que, em casa, não será possível receber mais do que 2 convidados (e que sejam de um único agregado familiar) em vez das actuais quatro pessoas.

O prolongamento do recolher obrigatório, entre as 23:00 e as 06:00, até 15 de dezembro está igualmente previsto no documento.

“A proposta de projecto-de-lei vai ser apresentada e votada na Câmara dos Deputados, na próxima segunda-feira. Devemos preparar-nos para novas restrições”, anunciou Xavier Bettel.

O anúncio foi feito ao início da tarde pelo líder do Executivo luxemburguês numa conferência de imprensa conjunta com a ministra da saúde, Paulette Lenert, no final de um Conselho de Ministros extraordinário.

Se o documento for aprovado pelo Parlamento, e depois de passar pelo Conselho de Estado, as novas medidas poderão ser válidas até 15 de dezembro, disse Xavier Bettel, incluindo o prolongamento do recolher obrigatório (em vigor até 30 de Novembro).

A ser aprovado, o documento terá igualmente implicação nas escolas do país, indicou o primeiro-ministro. Essas implicações serão depois anunciadas por Claude Meisch, ministro da Educação.

Na conferência de imprensa, Paulette Lenert, mostrou-se “confiante” na evolução da crise pandémica e espera que o país não volte a “fechar”.

“Fico feliz de ver que as medidas tomadas no dia 30 de Outubro – menos restritivas que em outros países – estão a dar frutos. Estamos a provar que podemos mudar os nossos hábitos, que podemos estabilizar a situação. Isso é o que nos permite hoje termos mais uma semana de análise da epidemia”, disse Paulette Lenert.

Apesar do seu optimismo, a ministra da tutela deixa um alerta: O país “está sem muita margem” para manter o sistema de Saúde como está, “sem prejudicar ainda mais” os outros pacientes e patologias a serem tratadas.

Paulette Lenert anunciou ainda que, a partir de quarta-feira (18), vai abrir um novo centro de consultas e triagem para doentes Covid-19 em Esch/Alzette, substituindo o anterior que só servia para realizar testes de despistagem, que encerrará esta noite. Este novo centro estará igualmente preparado para receber crianças.

O Luxemburgo contabiliza um total de 236 mortes e 27.256 casos de infecção por Covid-19, desde que foi conhecido o primeiro caso no país no final de fevereiro de 2020.

A ministra da Saúde, Paulette Lenert, em conferência de imprensa, 17.11.2020 – SCREENSHOT LUX24

A conferência de imprensa pode ser acompanhada aqui, com tradução simultânea em francês:

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade