O consumo de petróleo a nível mundial irá ultrapassar, em 2020, pela primeira vez, os 100 milhões de barris por dia (mbd), mais 1,14% do que este ano, segundo dados apresentados pela OPEP citados pela Efe.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo revelou, em Viena, que este aumento tem como principais impulsionadores as economias chinesa e indiana, durante a apresentação da sua análise mensal.

A OPEP fez as contas tendo por base uma previsão de crescimento da economia mundial para o próximo ano de 3,2%, em linha com 2019, e com expectativa de que não haverá um agravamento da guerra comercial entre a China e os Estados Unidos.

A entidade assinalou, no entanto, alguns factores de risco, como o alto nível de endividamento de alguns países, as consequências do ‘Brexit’ e uma queda da actividade industrial.

Ainda assim, a organização aponta para uma procura de 101,01 milhões de barris por dia em média.

Mesmo que se cumpram as previsões de que o consumo da China cresça menos do que este ano, o país asiático deverá absorver 13% de todo o crude extraído, ficando apenas atrás da Europa, que, mesmo assim, irá consumir menos 0,21%, de acordo com a OPEP.

Os dados recolhidos pela organização apontam ainda para um aumento da procura por parte da Índia, de 3,54%.

Por sua vez, a América Latina deverá consumir, no próximo ano, mais 1,3% de petróleo do que em 2019, principalmente nos sectores dos transportes e indústria.

Brasil, Equador, Argentina e Venezuela são os países onde mais irá aumentar o consumo, segundo a apresentação da OPEP.

No que diz respeito ao abastecimento, a OPEP destaca que irá perder quota de mercado no próximo ano, altura em que a sua oferta cobrirá 29% da oferta mundial, face aos 30% previstos para este ano.

A organização recordou ainda que tinha acordado, junto de vários grandes produtores, como a Rússia, prolongar até março de 2020 uma redução voluntária da produção para fazer face a “incertezas” e evitar um excesso de oferta que desça os preços.

Face a isso, os EUA deverão aumentar a sua extração em 9%, para 20,26 mbd, estima a OPEP, recordando que, com a produção actual, as importações de crude do país já caíram 11% no primeiro semestre deste ano.

A Venezuela, por sua vez, assolada por uma crise económica e política, continua a extrair menos crude, sendo que em junho registou uma queda de 2,13% face a maio.

O embargo americano, tanto à Venezuela como ao Irão, tem prejudicado a actividade nos dois países, realça a OPEP, indicando que Teerão viu a sua produção cair 6% em junho.

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões ou sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade

Todas as notícias e conteúdos no LUX24 são e continuarão a ser disponibilizadas gratuitamente, mas nunca como agora precisamos da sua ajuda para continuar a prestar o nosso serviço público.

Somos uma asbl – associação sem fins lucrativos – e não temos qualquer apoio estatal ou institucional, apesar do serviço público que diariamente fazemos em prol da comunidade portuguesa e lusófona residente no Luxemburgo, e já sentimos o efeito da redução da publicidade, que nos garante a manutenção do nosso jornal online.

A imprensa livre não existe nem sobrevive, sem o suporte activo dos seus leitores – sobretudo em épocas como esta, quando as receitas de publicidade se reduziram abruptamente, e nós continuamos a trabalhar a 100%.

Só lhe pedimos que esteja connosco nesta hora e nos possa ajudar com o seu donativo, seja ele de que valor for. Prometemos que continuaremos a ser a sua companhia de todas as horas.

Pode fazer o seu donativo por transferência bancária para a conta do LUX24:
IBAN: LU790250045896982000
Código BIC: BMECLULL

LUX24 asbl
#VaiFicarTudoBem

Publicidade