Interior de uma loja Pingo Doce - FOTO © JERÓNIMO MARTINS

A Jerónimo Martins registou, nos primeiros nove meses do ano, lucros atribuíveis de 419 milhões de euros, um aumento de 29,3% em relação ao período homólogo, indicou o grupo, em comunicado enviado ao mercado.

Segundo a mesma nota, enviada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a empresa aumentou as vendas e prestações de serviços em 21% até setembro, para 18.392 milhões de euros.

A inflação alimentar cujos primeiros sinais começámos a detectar ainda no ano passado agudizou-se substancialmente com a situação de guerra que se trava na Ucrânia, que veio abrir, entre outras, uma nova fonte de pressão relacionada com a crise energética”, disse o presidente da empresa, dona do Pingo Doce, Pedro Soares dos Santos, citado na mesma nota.

Com as acentuadas subidas dos preços dos alimentos e da energia a asfixiarem o poder de compra das famílias, tomámos a decisão, transversal a todas as companhias do grupo, de trabalhar para conter na medida do possível a subida dos preços nas prateleiras das nossas lojas, admitindo pressão adicional sobre as margens”, indicou.

A Jerónimo Martins SGPS, S.A. é um grupo empresarial português de distribuição alimentar e retalho especializado, presente em Portugal, Polónia e Colômbia. Ocupava a 50ª posição no ranking dos maiores retalhistas mundiais, no estudo anual ‘Global Powers of Retailing 2020’, realizado pela consultora Deloitte.

ND com Lusa 

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco via email para geral@lux24.lu.
Siga o LUX24 nas redes sociais. Use a #LUX24 nas suas publicações.
Faça download gratuito da nossa ‘app’ na Google Play ou na App Store.
Publicidade
Publicidade