O presidente da Caixa Geral de Depósitos, Paulo Macedo intervém na apresentação dos resultados do 1.º semestre de 2020 esta tarde em Lisboa, 31 de julho de 2020. MIGUEL A. LOPES / LUSA

A Caixa Geral de Depósitos registou lucros de 249 milhões de euros no primeiro semestre, uma diminuição de 41% face ao mesmo período do ano anterior, tendo constituído 156 milhões de euros de imparidades, divulgou hoje o banco público.

Em comunicado divulgado hoje, o banco refere “um resultado extraordinário de 51 milhões de euros (depois de impostos) decorrentes de ganhos atuariais nas responsabilidades com benefícios pós emprego”.

O banco público constituiu ainda 156 milhões de euros em imparidades de crédito e provisões para garantias bancárias como resultado dos efeitos da pandemia de covid-19.

CGD com capital confortável para fazer face à crise – Paulo Macedo

O presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos (CGD) disse hoje que o banco público tem capital confortável para fazer face à actual crise.
Na conferência de imprensa de apresentação de resultados do primeiro semestre (lucros de 249 milhões de euros no primeiro semestre, menos 41% face ao mesmo período de 2019), Paulo Macedo disse que o banco público está “bastante preocupado” com esta crise, mas com o “conforto de ter capital substancial”.

O gestor estimou que o crédito malparado vá aumentar no último trimestre do ano com o adensamento da crise após o verão, mas sobretudo após o fim das moratórias que suspendem o pagamento dos créditos (juros e/ou capital), que terminam em 31 de março de 2020.

“A Caixa está-se a preparar para o aumento de crédito malparado no quarto trimestre deste ano, mas sobretudo no segundo trimestre do ano que vem”, afirmou, acrescentando, contudo, que o aumento do malparado a partir de abril dependerá da retoma da economia, mas também de outros factores, por exemplo, caso seja decidido manter moratórias apenas para os sectores mais afectados pela crise pandémica.

“Vamo-nos preparando para um cenário mau, mas a Caixa está preparada em termos de capital para esse cenário”, vincou Macedo.

O presidente executivo da CGD disse que as previsões do banco são de subida do malparado, “mas nada para valores que a Caixa teve anteriormente”.

O Estado português acordou, em 2016, a recapitalização da CGD de quase 5.000 milhões de euros (dos quais 2.500 milhões de injecção directa do Estado).

CGD perde 582 trabalhadores e uma agência em Portugal num ano

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) contava no final do primeiro semestre de 2020 com menos 582 trabalhadores relativamente ao mesmo período do ano passado, contabilizando também menos uma agência, foi hoje divulgado.

No comunicado emitido pelo banco no âmbito do anúncio dos resultados semestrais (lucro de 249 milhões de euros), pode ler-se que o número de empregados da actividade doméstica do grupo CGD no final de junho de 2019 era de 7.503 pessoas, sendo de 6.921 no mesmo mês deste ano.

Em termos de agências, em junho de 2019 a CGD contava com 552, incluindo ‘espaços Caixa’ e ‘gabinetes de empresas – CGD Portugal’, ao passo que no final do primeiro semestre deste ano o número era de 551.

CGD aprovou mais de 48 mil moratórias no valor de quase 7 mil ME

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) aprovou 48.326 moratórias de crédito até 28 de julho no âmbito da pandemia de covid-19, num valor que totaliza 6.982 milhões de euros, divulgou hoje o banco público.

De acordo com um comunicado do banco, que hoje apresentou lucros de 249 milhões de euros no primeiro semestre, 36.604 moratórias dizem respeito a particulares e 12.222 a empresas.

Já relativamente aos montantes, as moratórias concedidas aos particulares totalizam 3.063 milhões de euros e as que dizem respeito às empresas 3.919 milhões de euros.

O presidente da Caixa Geral de Depósitos, Paulo Macedo intervém na apresentação dos resultados do 1.º semestre de 2020 esta tarde em Lisboa, 31 de julho de 2020. MIGUEL A. LOPES / LUSA

Acerca das linhas de crédito covid-19, o banco público informou que o seu valor ascende a 1.226 milhões de euros (em 8.805 operações), dos quais 927 dizem respeito à garantia pública (4.927 operações) e 309 milhões da garantia do Fundo Europeu de Investimento (3.878 operações).

O banco público contabilizou ainda 5.171 milhões de euros em crédito concedido respeitante a outras linhas de financiamento, dos quais 3.990 relativos a crédito concedido entre 01 de janeiro e 28 de julho, e 3.039 de crédito pré-aprovado.

As moratórias de crédito foram criadas como uma ajuda a famílias e empresas penalizadas pela crise económica desencadeada pela pandemia de covid-19.

Em junho, o Governo decidiu estender – de setembro deste ano para 31 de março de 2021 – as moratórias para créditos de empresas e particulares (que suspendem pagamentos de capital e/ou juros) e alargou também as condições em que os clientes podem aceder às moratórias. Os clientes podem pedir acesso às moratórias até final de setembro.

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões ou sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade

Todas as notícias e conteúdos no LUX24 são e continuarão a ser disponibilizadas gratuitamente, mas nunca como agora precisamos da sua ajuda para continuar a prestar o nosso serviço público.

Somos uma asbl – associação sem fins lucrativos – e não temos qualquer apoio estatal ou institucional, apesar do serviço público que diariamente fazemos em prol da comunidade portuguesa e lusófona residente no Luxemburgo, e já sentimos o efeito da redução da publicidade, que nos garante a manutenção do nosso jornal online.

A imprensa livre não existe nem sobrevive, sem o suporte activo dos seus leitores – sobretudo em épocas como esta, quando as receitas de publicidade se reduziram abruptamente, e nós continuamos a trabalhar a 100%.

Só lhe pedimos que esteja connosco nesta hora e nos possa ajudar com o seu donativo, seja ele de que valor for. Prometemos que continuaremos a ser a sua companhia de todas as horas.

Pode fazer o seu donativo por transferência bancária para a conta do LUX24:
IBAN: LU790250045896982000
Código BIC: BMECLULL

LUX24 asbl
#VaiFicarTudoBem

Publicidade