Christine Lagarde, President of the European Central Bank (ECB) holds a news conference following the meeting of the governing council of the ECB in Frankfurt am Main, western Germany, on March 10, 2022. (Photo by Daniel ROLAND / POOL / AFP)

A inflação nos países da zona euro poderá exceder 7% em 2022, devido ao impacto da guerra na Ucrânia sobre os preços da energia e dos alimentos, disse hoje a presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde.

É provável que a inflação média seja de cerca de 5,1%, acrescentou Lagarde, prevendo, contudo, que se poderá manter o objectivo a médio prazo de 2%, embora tenha advertido que a política monetária do BCE dependerá do impacto económico da guerra.

O nível mais elevado de inflação corresponde ao pior cenário dos estimados pelos peritos do BCE, acrescentou Lagarde, que salientou que “os preços da energia deverão ser altos durante mais tempo” e recordou que os preços do gás subiram 73% desde o início de 2022.

“A pressão sobre a inflação é susceptível de aumentar. A Rússia e a Ucrânia representam 30% das exportações mundiais de trigo e os preços do trigo são 30% mais elevados do que no início do ano”, salientou o presidente do BCE, que interveio no fórum “O BCE e os seus Observadores”, em Frankfurt (sul da Alemanha).

Lagarde advertiu que os estrangulamentos globais da indústria transformadora, que tinham começado a desaparecer nos últimos meses, são susceptíveis de permanecer em alguns sectores, com consequências para os preços dos bens de consumo duradouros.

Mas, dada a situação actual, a presidente do BCE assegurou que a instituição a que preside “tomará as medidas necessárias para assegurar a estabilidade dos preços e proteger a estabilidade financeira”.

Devido às pressões inflacionistas, Lagarde reconheceu que “os europeus irão enfrentar uma inflação mais elevada e um abrandamento do crescimento económico a curto prazo”.

E admitiu que “os preços mais elevados da energia são susceptíveis de reduzir as poupanças domésticas acumuladas durante a pandemia” e previu que estas serão desviadas para despesas associadas ao consumo de energia.

Lagarde reconheceu que as empresas também serão afectadas e recordou que no passado acontecimentos geopolíticos como as guerras do Golfo ou os ataques aos Estados Unidos em 2001 resultaram num declínio do investimento nas economias avançadas.

A taxa de inflação homóloga ultrapassou, em fevereiro, mais uma barreira ao atingir na União Europeia (UE) os 6,2% e foi revista em alta para os 5,9% na zona euro, divulgou hoje o Eurostat.

MC (IG) // CSJ

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco via email para geral@lux24.lu.
Siga o LUX24 nas redes sociais. Use a #LUX24 nas suas publicações.
Faça download gratuito da nossa ‘app’ na Google Play ou na App Store.
Publicidade
Publicidade