O Fundo Monetário Internacional (FMI) melhorou a perspectiva de crescimento da economia da zona euro para 3,1% este ano, mas cortou a do próximo ano para 0,5%, prevendo uma recessão na Alemanha e Itália, foi hoje divulgado.

Na actualização das previsões económicas mundiais, divulgadas hoje, o FMI prevê que o crescimento da zona euro desacelere de 5,2% em 2021 para 3,1%, o que ainda assim representa uma melhoria de 0,5 pontos percentuais (pp.) face às previsões divulgadas em julho, devido a um crescimento mais forte do que o projectado no segundo trimestre na maioria das economias do bloco.

Contudo, para o próximo ano está mais pessimista, estimando uma expansão do Produto Interno Bruto (PIB) de 0,5%, menos 0,7 pp. do que previa anteriormente.

A instituição assinala que a desaceleração do crescimento nos países da moeda única é menos pronunciada do que nos Estados Unidos em 2022, mas deverá aprofundar-se em 2023.

Ainda assim, destaca que a média para a zona euro “esconde heterogeneidade entre os países”, apontando como exemplo que em Itália e Espanha se regista uma recuperação nos serviços relacionados com o turismo e a produção industrial no primeiro semestre de 2022 contribuindo para o crescimento projectado de 3,2% e 4,3%, respectivamente, em 2022.

No entanto, alerta, o crescimento em ambos os países deve desacelerar acentuadamente em 2023, com Espanha a crescer 1,2% e Itália a registar uma contracção de -0,2%.

Para a Alemanha, o FMI prevê um crescimento de 1,5% este ano e uma recessão de 0,3% em 2023.

O FMI explica que o crescimento mais fraco na zona euro reflecte os efeitos da guerra na Ucrânia, nomeadamente nas economias mais expostas aos cortes do gás russo, mas também o impacto das alterações de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), com os aumentos das taxas de juro.

A invasão da Ucrânia pela Rússia continua a desestabilizar a economia global. Além da escalada e destruição sem sentido de vidas e meios de subsistência, levou a uma grave crise energética na Europa que está a aumentar drasticamente os custos de vida e a dificultar a actividade económica”, salienta.

O FMI assinala que os preços do gás na Europa aumentaram mais de quatro vezes desde 2021, com a Rússia a cortar entregas para menos de 20% dos níveis de 2021, aumentando a perspectiva de escassez de energia no próximo inverno e além disso.

Salienta ainda que o conflito também fez subir os preços dos alimentos nos mercados mundiais, apesar da recente flexibilização após o acordo de cereais do Mar Negro, provocando dificuldades para famílias menores rendimentos a nível global.

O FMI manteve hoje a perspectiva de crescimento global deste ano em 3,2%, mas cortou, em 0,2 pp. face a julho, a do próximo ano para 2,7%.

AAT // JNM

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco via email para geral@lux24.lu.
Siga o LUX24 nas redes sociais. Use a #LUX24 nas suas publicações.
Faça download gratuito da nossa ‘app’ na Google Play ou na App Store.
Publicidade
Publicidade