WASHINGTON, DC - NOVEMBER 09: President-elect Joe Biden is shown speaking on a monitor about coronavirus disease (COVID-19) in the briefing room of the White House on November 9, 2020 in Washington, DC. U.S. The drug maker Pfizer announced that a coronavirus vaccine trial suggested their vaccine was up to ninety percent effective in preventing Covid-19. Joshua Roberts/Getty Images/AFP

O Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, afirmou que a sua administração vai reforçar a vulnerável economia do país apesar de um aumento exponencial do surto pandémico, durante um encontro com empresários prévio à sua tomada de posse.

Biden, que assumirá a presidência em 20 de janeiro, e apesar de admitir que o país atravessa uma fase “negra”, forneceu um quadro optimista para os próximos quatro anos durante um encontro virtual com empresários e representantes de trabalhadores, que antecedeu uma comunicação ao país sobre temas económicos prevista para esta noite no seu quartel-general temporário no estado do Delaware.

“Para referir o óbvio, parece que estamos a atravessar de momento uma curva muito negra”, disse Biden aos presentes, com as suas caras projectadas nos ecrãs vídeo logo no início da sessão.

“Não queremos ser falsamente optimistas”, prosseguiu, vincando: “Mas penso que podemos fazer isso”.

Biden, do Partido democrata, prometeu injectar triliões de dólares para revigorar a indústria norte-americana, alargar o sistema de saúde e combater as alterações climáticas, entre outras prioridades.

No entanto, a sua principal preocupação centra-se no controlo da pandemia de covid-19, que está a atingir novos recordes de infecções e a forçar os dirigentes locais e estaduais a aplicar novas restrições às actividades económicas.

O Presidente eleito – apesar das contínuas acusações do ainda líder da Casa Branca, Donald Trump, sobre alegadas fraudes eleitorais e o início de diversos processos judiciais – tentou até ao momento evitar esclarecer se apoia um confinamento a nível nacional para travar o aumento exponencial dos casos de coronavírus.

Desde a sua proclamada vitória sobre Trump que Biden tem optado nas suas declarações por encorajar os norte-americanos a usarem máscara e cumprirem o distanciamento social.

No entanto, diversos membros da sua equipa de conselheiros têm sido mais específicos. Um deles, o médico Michael Osterholm, sugeriu recentemente em confinamento entre quatro a seis semanas a nível nacional, com ajuda financeira para quem seja afectado. Mais tarde optou por renunciar a estas afirmações, e foi censurado por dois outros membros da equipa que rejeitaram a opção por um confinamento generalizado.

Informações recentes sugerem que pelo menos duas vacinas estão perto de serem aprovadas, apesar de a sua distribuição de poder prolongar por vários meses.

Apesar de Trump ter sugerido no domingo que poderia admitir a vitória de Biden nas presidenciais de 03 de novembro, a sua administração tem-se recusado a iniciar as tradicionais reuniões de transição para a equipa do Presidente designado, nas áreas da segurança nacional e de diversos assuntos políticos.

Trump também tem impedido a equipa de Biden de ser informada sobre os esforços para o controlo da pandemia e a futura distribuição de vacinas.

Antes do discurso, Biden e a vice-Presidente eleita Kamala Harris mantiveram encontros virtuais com Richard Trumka, presidente da central sindical AFL-CIO, e com a diretora executiva da General Motors, Mary Barra, e o presidente e diretor executivo da Microsoft, Satya Nadella, entre outros.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.319.561 mortos resultantes de mais de 54,4 milhões de casos de infecção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos (246.224) e também com mais casos de infecção confirmados (mais de 11 milhões), de acordo com dados de segunda-feira (17).

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões ou sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade

Todas as notícias e conteúdos no LUX24 são e continuarão a ser disponibilizadas gratuitamente, mas nunca como agora precisamos da sua ajuda para continuar a prestar o nosso serviço público.

Somos uma asbl – associação sem fins lucrativos – e não temos qualquer apoio estatal ou institucional, apesar do serviço público que diariamente fazemos em prol da comunidade portuguesa e lusófona residente no Luxemburgo, e já sentimos o efeito da redução da publicidade, que nos garante a manutenção do nosso jornal online.

A imprensa livre não existe nem sobrevive, sem o suporte activo dos seus leitores – sobretudo em épocas como esta, quando as receitas de publicidade se reduziram abruptamente, e nós continuamos a trabalhar a 100%.

Só lhe pedimos que esteja connosco nesta hora e nos possa ajudar com o seu donativo, seja ele de que valor for. Prometemos que continuaremos a ser a sua companhia de todas as horas.

Pode fazer o seu donativo por transferência bancária para a conta do LUX24:
IBAN: LU790250045896982000
Código BIC: BMECLULL

LUX24 asbl
#VaiFicarTudoBem

Publicidade