A inflação homóloga na Alemanha subiu para 7,3% em março, o nível mais alto em mais de quarenta anos, devido à guerra na Ucrânia, de acordo com dados provisórios publicados hoje pelo instituto federal de estatística alemão (Destatis).

Face a fevereiro, a taxa de inflação subiu 2,5%.

Em fevereiro, o índice de preços no consumidor (IPC) já tinha aumentado 5,1%, depois de 4,9% em janeiro e 5,3% em dezembro.

Desde a invasão da Ucrânia pela Rússia, os preços do gás natural e dos produtos petrolíferos voltaram a subir acentuadamente e estão a ter impacto na elevada taxa de inflação, de acordo com o comunicado do Destatis.

Os preços da energia aumentaram 39,5% em março, depois de aumentos em fevereiro, janeiro e dezembro de 22,5%, 20,5% e 18,3% respectivamente.

Para encontrar uma taxa de inflação tão elevada é necessário recuar até ao outono de 1981, quando os preços do petróleo subiram acentuadamente devido aos efeitos da primeira Guerra do Golfo.

Isto é hoje agravado por problemas de abastecimento devido à ruptura das cadeias de abastecimento devido à pandemia e ao forte aumento dos preços da energia no período que antecedeu a mesma.

Entretanto, os preços dos alimentos aumentaram 6,2% em março e os bens em geral subiram 12,3%.

O IPC harmonizado para a Alemanha, que é calculado de acordo com os critérios da UE, aumentou 7,6% em março em termos homólogos e 2,5% em comparação com o mês anterior.

Os dados definitivos para março serão divulgados em 12 de abril.

MC // CSJ

Publicidade
Falhas, erros, imprecisões, sugestões?
Por favor fale connosco.
Publicidade
Publicidade